conecte-se conosco


Saúde

Brasil registra 7.709.602 milhões de pessoas recuperadas

Publicado

Informações foram atualizadas às 18h desta segunda-feira (25/01)

Número é superior à quantidade de casos ativos, ou seja, pessoas que estão em acompanhamento médico.

O Brasil já registra 7.709.602 milhões de pessoas curadas da Covid-19. No mundo, estima-se que pelo menos 29 milhões de pessoas diagnosticadas com Covid-19 já se recuperaram. O número de pessoas curadas no Brasil é superior à quantidade de casos ativos (944.127) que são os pacientes em acompanhamento médico. O registro de pessoas curadas já representa a grande maioria do total de casos acumulados (86,9%). As informações foram atualizadas às 18h desta segunda-feira (25/01) e enviadas pelas secretarias estaduais e municipais de Saúde.

A doença está presente em 100% dos municípios brasileiros. Contudo, mais da metade das cidades (3.951) possuem entre 2 e 100 casos. Em relação aos óbitos, 5.104 municípios tiveram registros (91,6%), sendo que 814 deles apresentaram apenas um óbito confirmado.

O Governo do Brasil mantém esforço contínuo para garantir o atendimento em saúde à população, em parceria com estados e municípios, desde o início da pandemia. O objetivo é cuidar da saúde de todos e salvar vidas, além de promover e prevenir a saúde da população.

Leia mais:  Estados e municípios criam páginas com dados diários da vacinação

Dessa forma, a pasta tem repassado verbas extras e fortalecido a rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com envio de recursos humanos (médicos e profissionais de saúde), insumos, medicamentos, ventiladores pulmonares, testes de diagnóstico, habilitações de leitos de UTI para casos graves e gravíssimos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) para os profissionais de saúde.

O Ministério da Saúde já destinou aos 26 estados e o Distrito Federal R$ 198,1 bilhões, sendo que desse total foram R$ 134 bilhões para serviços de rotina do SUS, e outros R$ 64,2 bilhões para a Covid-19. Também já foram comprados e distribuídos 27,9 milhões de unidades de medicamentos para auxiliar no tratamento do coronavírus, 306,8 milhões de EPI, mais de 20,6 milhões de testes de diagnóstico para Covid-19 e 79,9 milhões de doses da vacina contra a gripe, que ajuda a diminuir casos de influenza e demais síndromes respiratórias no meio dos casos de coronavírus.

O Ministério da Saúde, em apoio a estados e municípios, também tem ajudado os gestores locais do SUS na compra e distribuição de ventiladores pulmonares, sendo que já entregou 13.296 equipamentos para todos os estados brasileiros.

Leia mais:  Covid-19: mortes somam mais de 247 mil e casos, quase 10,2 milhões

As iniciativas e ações estratégicas são desenhadas conforme a realidade e necessidade de cada região, junto com estados e municípios, e têm ajudado os gestores locais do SUS a ampliarem e qualificarem os atendimentos, trazendo respostas mais efetivas às demandas da sociedade. Neste momento, o Brasil registra 8.871.393 milhões de casos confirmados da doença, sendo 26.816 mil registrados nos sistemas nacionais nas últimas 24h.

Em relação aos óbitos, o Brasil tem 217.664 mortes por coronavírus. Nas últimas 24h, foram registrados 627 óbitos nos sistemas oficiais, sendo que 360 óbitos ocorreram nos últimos três dias. Outros 2.860 permanecem em investigação.

Ministério da Saúde

Comentários Facebook

Saúde

Saúde divulga dados epidemiológicos da Covid-19 no Brasil

Publicado

por

Boletim Epidemiológico nº 50 apresenta queda no número de novos casos e aumento nos óbitos na comparação com a semana anterior

O novo Boletim Epidemiológico sobre a Covid-19 apresentou queda no número de novos casos e aumento nos óbitos pela doença entre os dias 7 e 13 de fevereiro de 2021 (Semana Epidemiológica 6) em comparação com a semana anterior. O documento mostra que o cenário epidemiológico da Covid-19 é heterogêneo entre as diferentes regiões do país. 

Por André de Castro – Durante a Semana Epidemiológica 6 de 2021 foram registrados 311.959 novos casos, o que representa uma redução de 3% em comparação com a semana anterior. Em relação aos óbitos, foram notificados 7.520 novos registros, representando aumento de 6%.

Acesse aqui o Boletim Epidemiológico sobre a Covid-19 completo

Houve redução no registro de novos casos em 9 estados e no Distrito Federal, aumento em 8 e estabilização em 9. As reduções de novos casos foram apresentadas em Rondônia, Amazonas, Ceará, Paraná, Piauí, Mato Grosso, Distrito Federal, São Paulo, Paraíba e Espírito Santo. A estabilização dos casos ocorreu no Rio de Janeiro, Amapá, Goiás, Minas Gerais, Alagoas, Pará, Santa Catarina, Pernambuco e Bahia. O aumento ocorreu em Roraima, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Acre, Rio Grande do Sul, Sergipe, Rio Grande do Norte e Maranhão.

Leia mais:  Johnson & Johnson pede que OMS inclua vacina contra covid-19 em lista emergencial

Em relação ao registro de novos óbitos, foi observada uma redução no Piauí, Sergipe e Ceará. Os nove estados que tiveram estabilização foram Mato Grosso, Paraná, Amazonas, Tocantins, Rio de Janeiro, Alagoas, Maranhão, Espírito Santo e São Paulo. E o aumento, em 14 estados e no DF, ocorreu na Paraíba, Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Amapá, Rio Grande do Sul, Bahia, Rondônia, Goiás, Rio Grande do Norte, Acre, Pará e Roraima.

VIGILÂNCIA LABORATORIAL

O diagnóstico laboratorial se destacou como uma das ferramentas para confirmar os casos e, principalmente, para orientar estratégias de atenção à saúde, isolamento e biossegurança para profissionais de saúde. Desde o início da pandemia, a pasta vem garantindo a disponibilidade de testes RT-PCR para todo o país, permitindo que o usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) possa procurar o serviço de saúde e realizar o teste, quando prescrito pelo profissional de saúde.

Até 13 de fevereiro, foram realizados 10.749.622 testes RT-PCR na rede pública de saúde, passando de 1.651 exames para Covid-19 em março de 2020 para 298.258 exames em fevereiro de 2021. A média diária de exames realizados passou de 1.148 em março do ano passado para 57.263 em janeiro deste ano.

Leia mais:  Prefeitos voltam a defender vacinação de profissionais de educação

O Ministério da Saúde se mantém à disposição dos estados e municípios para dar suporte às ações de monitoramento, diagnóstico, tratamento e acompanhamentos dos casos, além de incentivar as ações de prevenção e assistência precoce nos serviços de saúde do SUS.

Da Agência Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Anvisa concede registro definitivo para a vacina da Pfizer

Publicado

por

A vacina é a primeira a obter o registro definitivo no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu hoje (23) o registro definitivo à vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNtech. A concessão do registro foi anunciada pelo diretor-presidente da agência reguladora, Antônio Barra Torres, que destacou que a análise para a liberação do imunizante levou 17 dias.

Por Luciano Nascimento – “O imunizante do Laboratório Pfizer/Biontech teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa, que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro”, disse Barra Torres ao anunciar o registro. “Esperamos que outras vacinas estejam, em breve, sendo avaliadas e aprovadas”, acrescentou.

A vacina é a primeira a obter o registro definitivo no Brasil. O imunizante se chama Cominarty. A empresa entrou no dia 6 de fevereiro com o pedido de registro definitivo da vacina contra a covid-19. O imunizante, entretanto, ainda não está disponível no país.

Em dezembro, a Pfizer já havia anunciado que não faria pedido para uso emergencial da sua vacina no Brasil, e que seguiria o processo de submissão diretamente para um registro definitivo. À época, a empresa disse considerar o procedimento “mais célere”, além de mais amplo.

Leia mais:  Ministério da Saúde agiliza processo para aquisição das vacinas Covaxin e Sputnik V

Segundo a Pfizer, 2,9 mil voluntários participaram dos testes clínicos de sua vacina no Brasil. No mundo todo, foram 44 mil participantes em 150 centros de seis países, incluindo África do Sul, Alemanha, Argentina, Estados Unidos e Turquia. Os resultados da terceira e última fase de testes do imunizante, divulgados em novembro, apontaram eficácia de 95% contra o novo coronavírus (covid-19).

De acordo com a Anvisa, o registro “abre caminho para a introdução no mercado de uma vacina com todas as salvaguardas, controles e obrigações resultantes dessa concessão”. Até então, as vacinas aprovadas no Brasil são para uso emergencial: a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e a vacina produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório inglês AstraZeneca.

De acordo com a Anvisa, entre as autoridades referendadas pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a agência reguladora brasileira é a primeira a conceder o registro de uma vacina contra a covid-19.

O pedido de registro definitivo é o segundo que a Anvisa recebe para uma vacina contra a covid-19. O primeiro foi feito em 29 de janeiro e é relativo à vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que já tem autorização para uso emergencial no país.

Leia mais:  Estados e municípios criam páginas com dados diários da vacinação

* Colaborou a repórter da Agência Brasil Andreia Verdélio

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262