conecte-se conosco


ARTIGOS & OPINIÕES

DEEPFAKES: O FUTURO QUE NOS ESPERA E ENGANARÁ

Publicado

Apavorante. Em deepfakes eles podem tirar sua roupa, fazer você falar o que quiserem, colocar você em qualquer lugar do mundo, ou até participando de um animado vídeo pornô. Muito mais. Pior: dependendo do que possam pretender, nem precisam de você. Podem criar as pessoas que quiserem com as características e pensamentos que bem entenderem
Por Marli Gonçalves – São Tomé? Já era. Essa de acreditar só no que se vê está indo por terra e em toda a Terra. Estamos em perigo real, de vermos criados mundos paralelos completos, como a própria Criação, como religiosamente acreditamos que foi. Sete dias, descanso, costelas, ceias – tudo ultrapassado. Sairão de máquinas potentes, hardwares, guiados por mentes com domínio tecnológico, e nos serão apresentados em vídeos tão perfeitos que não será possível perceber sua manipulação. Com eles, facilmente o sentimento coletivo poderá ser manipulado.
São deepfakes, vídeos criados por softwares de inteligência artificial, que conseguem utilizar fotos e gravações da voz de alguém para criar um vídeo falso dela, mostrando não apenas ela fazendo algo que nunca fez como ainda dizendo algo que nunca disse. Ou criar essas pessoas, totalmente virtuais, com idades, raças, credos, ideologias, gêneros. Que surgirão buscando nos influenciar, domesticar, pensar como elas, até nos fazer ter raiva de outras que sejam reais. Distopia total.
Lembram daquele vídeo tosco do agora Governador de São Paulo João Doria, e que surgiu pouco antes das eleições? Ele, numa suruba. Como o conheço pessoalmente e fui capaz de jurar que por vários motivos não era ele naquela cena – ambiente sujo, etcs, principalmente os etceteras… – não me toquei à época do perigo, nem do que se tratava exatamente. E é mais, muito mais, do que mera manipulação de imagens. É infernal. Aquela era bem tosca, assim como grande parte do que está sendo feito ainda é rudimentar, produzido por nerds digitais e por pura diversão, humor, gracinhas.
Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”
Mas a tecnologia, e em pouquíssimo tempo, está ficando a cada dia mais apurada. E perigosa. E a gente aqui ainda preocupado com as fake news, que já abalam muitas estruturas e poderes, elegendo líderes desconcertantes, trazendo riscos inclusive à vida humana quando trata de saúde, como no caso das vacinas, ou causando linchamentos, que também já ocorreram. Para você entender: com deepfakes até o Drauzio Varella, em carne e osso, pode aparecer em vídeo condenando a imunização. Claro que não será ele, mas poderá ser tão perfeita a produção do falso, que você bateria o pé que, sim, você viu, você recebeu o vídeo, era ele, falando, a voz, os movimentos, os tiques. A técnica é a síntese de imagens, vídeos e sons, combinados e sobrepostos cuidadosamente.
Inacreditável é que o assunto perturbador ainda não está com a devida atenção dos governos e nações. Os deepfakes representam a mais nova ameaça à cyber segurança, sem que ainda se saiba como combatê-los. Não há regulação, normatização, legislação ética sobre a sua má utilização com os geradores de textos falsos, imagens falsas, vídeos falsos, clonagem de vozes e, o máximo, clonagem de personas. Se hoje nem as fake news conseguem ser combatidas, imaginem se esses novos monstros o serão em curto espaço de tempo. A inteligência artificial aprimorada aprendendo, sendo nutrida por informações, a criar um mundo falso em algoritmos.
Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”
Apavorante, repito. Discursos de ódio, manipulação nas eleições, ataques aos movimentos sociais, as relações humanas, tudo poderá ser afetado de forma ainda mais violenta do que o que já vem ocorrendo celeremente em todo o mundo. Tudo virtual, não haverá como prender o autor de calúnias, difamações, informações falsas que aparecem nas imagens, porque ele simplesmente não existirá. E o mundo ainda não está preparado para capturar os jovens, em geral, muito jovens, que já detêm essa tecnologia, a operam cada vez melhor, e estão gostando muito, orgulhosos dessa brincadeira que inventaram. Sem limites, farão nascer exércitos que hipoteticamente podem ser maiores do que os chineses, com a fidelidade dos soldados norte-coreanos, e com a loucura dos radicais.
Fica a dúvida: como agirão quando tiverem noção do poder que essa poção mágica poderá lhes proporcionar? Devemos temê-los? Afinal, estarão criando uma nova civilização. Como se deuses fossem. De mentira. Mas o que é verdade, ultimamente?

 

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Site Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano- Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. Já à venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon
marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br
____________________________________________________________
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/

Comentários Facebook

ARTIGOS & OPINIÕES

Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”

Publicado

por

Por Mauro Carvalho* – O Governo de Mato Grosso adotou medidas corajosas ao longo de 2019, que trouxeram o Estado para o caminho do equilíbrio fiscal. Entre as medidas adotadas, o corte nos privilégios fiscais, que resultou em dar maior competitividade para o setor econômico, assim como trouxe segurança jurídica para as empresas e indústrias.

Você sabia que em Mato Grosso empresas do mesmo setor, como por exemplo, do comércio, tinham incentivos fiscais diferentes? Deixa eu explicar melhor. Uma determinada loja que vendia sapatos, por exemplo, recebia do governo o incentivo fiscal e outra loja do mesmo segmento, que também vendia sapatos, não tinha.

Esse fato trazia uma competitividade desleal. Fazia com que uma empresa pudesse ter uma certa vantagem em detrimento da outra. Para entender melhor, é dizer que uma empresa pagava 100% de imposto, enquanto a outra pagava só 5%. Além disso, muitos casos foram alvos de investigação judicial e, inclusive, estão contidos na delação premiada do governador do período de 2011 a 2014, que confessou que recebeu vantagens indevidas para a concessão desse tipo de benefício, que só prejudicava o comércio.

Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”

O governo enfrentou isso, cortou esses “benefícios” indevidos, pois não admitimos qualquer tipo de ilegalidade, e trouxe isonomia para todos os comerciantes e industriais. O mais importante de tudo isso é que nós não aumentamos os impostos e sim, repito, cortamos incentivos fiscais indevidos e que em nenhum outro lugar são praticados.

Outro ponto que alteramos para beneficiar a população de Mato Grosso foi em relação a forma como o governo cobrava o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Antes, o empresário pagava o imposto quando ele comprava a mercadoria para revender, sobre uma previsão do valor que ele iria vender.

Vou citar um exemplo, para ilustrar. Uma determinada loja comprava um produto no valor de R$ 1,00 da distribuidora, mas comercializava a R$ 10,00. Contudo, ela informava ao Estado que iria vender a R$ 3,00. O restante, ou seja, R$ 7,00, era sonegado.

Isso foi alterado, agora o empresário tem que efetuar o pagamento após a venda da mercadoria, eliminando a sonegação. São mais recursos para investir em infraestrutura, segurança, educação, saúde e projetos sociais.

Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”

O governo, do qual faço parte, também teve mais uma atitude em prol do mercado interno de Mato Grosso ao garantir a competitividade da indústria, reduzindo o imposto para quem vende fora de Mato Grosso e aumentando o valor do imposto na comercialização do produto de empresas de fora do Estado para dentro.

Essas foram medidas corajosas, da equipe e do governador Mauro Mendes, que simplificaram, trouxeram segurança jurídica, aumentaram a competitividade e que em médio prazo serão percebidas pelo próprio empresariado.

*Mauro Carvalho é secretário-chefe da Casa Civil do Estado de Mato Grosso

Comentários Facebook
Continue lendo

ARTIGOS & OPINIÕES

Canto para uma cidade surda

Publicado

por

Para Fernando Brant

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor. Agora o Pacífico Mascarenhas está lá, em tamanho natural, emoldurado em ferro e aço, sentado abraçado ao violão no banco do tempo, mirando o infinito, de frente para a eternidade.

O Clube da Esquina, não; está nos corações das gerações, na vida dos casais, nos sonhos que são eternamente jovens e não nos deixam envelhecer. Está dentro de seu povo, guardado do lado esquerdo do peito, nesse cantinho que não morre mais. Pelas ruas da cidade apenas vestígios de sua existência e na esquina mais inspirada de Belo Horizonte, Minas Gerais e do Brasil, um reles rascunho de reconhecimento, um sinal de glória, uma tentativa de externar o que está vivo por dentro dos mineiros e dos povos do Planeta. Tudo muito pequeno, acanhado, modesto, bem ao modo dos mineiros.

Uma cidade jovem como Belo Horizonte, com poucos homens, nomes e história, deveria reconhecer e tratar com o devido respeito e o merecido reconhecimento aqueles que fizeram e fazem a sua história e a edifica e dignifica diante do país e do mundo inteiro. Foi isso que os meninos do Clube fizeram em uma improvável esquina de Santa Tereza, que em um dia ensolarado se sentaram na confluência do divino com o paraíso para cantar e contar as coisas de seu tempo, as coisas que traziam vivas em seus corações.

Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”

E assim, descalços e distraídos, caminharam sobre a eternidade, fizeram revolução e mostraram que Belo Horizonte era mais que um retrato na parede, era uma cidade provinciana mas que tinha pensamento próprio, vida, talento, genialidade e que confabulava e sonhava com um novo tempo, contribuindo para a construção de um novo país. Um país que amava e cantava de forma respeitosa e despretensiosa a mulher brasileira, sem estereótipos, estigma ou idealização. Cantava apenas a mulher em sua essência, aquela que trazia um girassol no cabelo e buscava um lado ensolarado para caminhar.

O Clube da Esquina é a poesia que não se pega, que não se explica, que não se mede. Cantaram a América Latina sem alarde; convidaram a mulher negra e periférica para dividir protagonismo e palco; falaram de índios e dos rios, singrando o Brasil profundo em uma canoa etérea; foram modernos e universais cantando os sinos das igrejas e seus currais. Fundaram uma escola tendo a intuição como inspiração; moveram o mundo sem romper as montanhas. Isso tudo antes de todos, sem reivindicar paternidade ou ostentar idealismo libertário. A música pela música. A poesia na poesia, aquela que nasce e morre em seu próprio mistério. O Clube da Esquina é além de seus atores, não cabe em uma cidade, é patrimônio planetário, figura nas páginas de glória do templo da música universal. O Clube da Esquina é do mundo, é Minas Gerais.

Leia mais:  Privilégio fiscal e a verdade sobre o “aumento dos preços”

Para Belo Horizonte, que vive entre fumaça, buzinas e concreto, talvez a música e a história do Clube da Esquina soem hoje como dissonantes, algo que é melhor ser ignorado, silenciado e esquecido. Uma pena!

Por Petrônio Souza – Jornalista e escritor

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262