Connect with us

Economia & Finanças

INPC fecha 2021 com alta de 10,16%

Published

on

IPCA sobe 0,73% em dezembro e fecha 2021 em 10,06%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro subiu 0,73%, 0,22 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de 0,95% registrada em novembro. Com isso, o ano de 2021 se encerra com variação de 10,06%, acima dos 4,52% registrados em 2020. Em dezembro de 2020, a variação havia sido de 1,35%.

Período Taxa
 Dezembro 2021  0,73%
 Novembro 2021  0,95%
 Dezembro 2020  1,35%
 Acumulado em 2021 10,06%

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em dezembro. A maior variação veio de Vestuário (2,06%), que acelerou em relação a novembro (0,95%). Na sequência, vieram Artigos de Residência (1,37%) e Alimentação e bebidas (0,84%), grupo este que contribuiu com o maior impacto no índice do mês (0,17 p.p.). Além disso, destacam-se as variações de Habitação (0,74%) e Transportes (0,58%), inferiores às observadas no mês anterior (1,03% e 3,35%, respectivamente). O grupo Saúde e cuidados pessoais, por sua vez, teve alta de 0,75%, após a queda de 0,57% em novembro. Os demais ficaram entre o 0,05% de Educação e o 0,56% de Despesas pessoais.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
Novembro Dezembro Novembro Dezembro
Índice Geral 0,95 0,73 0,95 0,73
Alimentação e Bebidas -0,04 0,84 -0,01 0,17
Habitação 1,03 0,74 0,17 0,12
Artigos de Residência 1,03 1,37 0,04 0,05
Vestuário 0,95 2,06 0,04 0,09
Transportes 3,35 0,58 0,72 0,13
Saúde e Cuidados Pessoais -0,57 0,75 -0,07 0,09
Despesas Pessoais 0,57 0,56 0,06 0,06
Educação 0,02 0,05 0,00 0,00
Comunicação 0,09 0,34 0,00 0,02
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços 

O resultado do grupo Vestuário (2,06%) foi influenciado principalmente pelas altas das roupas masculinas (2,53%) e roupas femininas (2,00%), que juntas contribuíram com um impacto de 0,05 p.p. no IPCA de dezembro. Os demais itens do grupo também tiveram alta, com destaque para roupas infantis (2,11%) e calçados e acessórios (1,92%). Os preços das joias e bijuterias subiram 1,09%, após a queda de 0,28% no mês anterior.

No grupo dos Artigos de residência (1,37%), as principais contribuições vieram dos itens mobiliário (2,07%) e eletrodomésticos e equipamentos (1,77%). Cabe destacar, ainda, a aceleração dos itens tv, som e informática (0,70%) e consertos e manutenção (0,79%), cujas variações em novembro haviam sido de 0,03% e 0,06%, respectivamente.

Em Alimentação e bebidas (0,84%), o subgrupo alimentação no domicílio passou de alta de 0,04% em novembro para 0,79% em dezembro. O principal destaque foram as frutas (8,60%), cujos preços haviam caído no mês anterior (-0,43%). O mesmo aconteceu com as carnes, que subiram 1,38%, após a queda (-1,38%) observada em novembro. Além disso, os preços do café moído (8,24%) subiram pelo 10º mês consecutivo, acumulando alta de 50,11% no período de março a dezembro. Outro destaque foi a cebola, com alta de 20,94%. No lado das quedas, cabe mencionar o recuo nos preços da batata-inglesa (-14,55%), do tomate (-9,21%) e do leite longa vida (-2,89%).

alimentação fora do domicílio, por sua vez, passou de -0,25% em novembro para 0,98% em dezembro. O lanche e a refeição tiveram variação idêntica (1,08%) e contribuíram, juntos, com 0,06 p.p. no índice do mês.

O grupo Habitação (0,74%) desacelerou em relação ao mês anterior (1,03%), por conta da energia elétrica (0,50%), cuja alta em novembro havia sido de 1,24%. Desde setembro, permanece em vigor a bandeira Escassez Hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos. As variações das áreas foram desde -2,88% em Goiânia, onde houve redução de PIS/COFINS, até 5,61% em Porto Alegre, onde houve reajuste de 14,70% em uma das concessionárias pesquisadas, válido desde 22 de novembro. Em Rio Branco (1,25%), as tarifas foram reajustadas em 10,66% no dia 13 de dezembro.

Ainda em Habitação, a alta do gás encanado (6,55%) deve-se aos reajustes de 17,64% em São Paulo (11,56%), vigente desde 10 de dezembro, e de 6,90% no Rio de Janeiro (0,61%), desde 1º de novembro. A taxa de água e esgoto (0,65%) também subiu em dezembro, consequência dos reajustes de 9,05% em Salvador (8,74%), a partir de 29 de novembro, e de 9,86% no Rio de Janeiro (2,89%), em vigor desde 8 de novembro.

A desaceleração observada no grupo dos Transportes (de 3,35% para 0,58%) é consequência principalmente da queda no preço dos combustíveis (-0,94%), depois de sete meses seguidos de alta. Além da gasolina (-0,67%), também houve recuo nos preços do etanol (-2,96%) e do óleo diesel (-0,33%). O gás veicular (0,68%) foi o único a apresentar alta em dezembro. Entre os demais subitens que compõem o grupo, os destaques foram as passagens aéreas (10,28%), com impacto de 0,06 p.p. no índice do mês, e os transportes por aplicativo (11,75%), que contribuíram com 0,03 p.p. Além disso, os preços dos automóveis novos (1,85%) e usados (0,42%) seguem em alta.

Após a queda de 0,57% em novembro, o grupo Saúde e cuidados pessoais registrou alta de 0,75% em dezembro. Os preços dos itens de higiene pessoal subiram 2,32% e contribuíram com 0,08 p.p. no índice do mês. Os produtos farmacêuticos, por sua vez, tiveram alta de 0,06%, desacelerando em relação ao mês anterior (1,13%).

No que concerne aos índices regionais, todas as áreas pesquisadas tiveram alta em dezembro. A maior variação ocorreu no município de Rio Branco (1,18%), por conta dos itens de higiene pessoal (3,34%) e dos automóveis novos (3,37%). Já o menor resultado foi observado em Brasília (0,46%), onde pesou a queda nos preços da gasolina (-3,38%).

Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Novembro Dezembro Ano
Rio Branco 0,51 0,82 1,18 11,43
Recife 3,92 1,02 1,05 10,42
Salvador 5,99 1,42 1,04 10,78
Belém 3,94 -0,03 0,95 8,10
São Luís 1,62 0,73 0,94 9,91
Aracaju 1,03 0,92 0,92 10,14
Porto Alegre 8,61 0,96 0,83 10,99
Belo Horizonte 9,69 0,92 0,75 9,58
Vitória 1,86 1,01 0,73 11,50
Rio de Janeiro 9,43 0,88 0,70 8,58
São Paulo 32,28 0,86 0,70 9,59
Goiânia 4,17 1,39 0,58 10,31
Fortaleza 3,23 1,06 0,55 10,63
Curitiba 8,09 1,07 0,51 12,73
Campo Grande 1,57 1,47 0,47 10,92
Brasília 4,06 1,04 0,46 9,34
Brasil 100,00 0,95 0,73 10,06
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  
Leia mais:  Ministro da Economia defende taxar super-ricos e desonerar empresas

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 30 de novembro e 28 de dezembro de 2021 (referência) com os preços vigentes entre 29 de outubro e 29 de novembro de 2021 (base). O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Em virtude da pandemia de COVID-19, o IBGE suspendeu, em 18 de março, a coleta presencial de preços nos locais de compra. A partir dessa data, os preços passaram a ser coletados por outros meios, como sites de internet, telefone ou e-mail. A partir de julho de 2021, o IBGE iniciou a retomada gradual da coleta presencial de preços em alguns estabelecimentos, conforme descrito na Portaria nº 207/2021 da Presidência do IBGE.

IPCA fecha 2021 com alta de 10,06%

O IPCA encerrou o ano com variação de 10,06%, acima dos 4,52% registrados em 2020. Na tabela abaixo, pode-se observar as variações mensais do índice em 2021.

Mês Variação (%)
Mês Trimestre Ano
Janeiro 0,25 0,25
Fevereiro 0,86 1,11
Março 0,93 2,05 2,05
Abril 0,31 2,37
Maio 0,83 3,22
Junho 0,53 1,68 3,77
Julho 0,96 4,76
Agosto 0,87 5,67
Setembro 1,16 3,02 6,90
Outubro 1,25 8,24
Novembro 0,95 9,26
Dezembro 0,73 2,96 10,06
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços 

O resultado de 2021 foi influenciado principalmente pelo grupo Transportes, que apresentou a maior variação (21,03%) e o maior impacto (4,19 p.p.) no acumulado do ano. Na sequência vieram Habitação (13,05%), que contribuiu com 2,05 p.p., e Alimentação e bebidas (7,94%), com impacto de 1,68 p.p. Juntos, os três grupos responderam por cerca de 79% do IPCA de 2021. Cabe mencionar ainda as variações acumuladas dos grupos Artigos de residência (12,07%) e Vestuário (10,31%). Este último havia sido o único grupo com deflação no ano anterior.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
2020 2021 2020 2021
Índice Geral 4,52 10,06 4,52 10,06
Alimentação e Bebidas 14,09 7,94 2,73 1,68
Habitação 5,25 13,05 0,82 2,05
Artigos de Residência 6,00 12,07 0,23 0,46
Vestuário -1,13 10,31 -0,05 0,45
Transportes 1,03 21,03 0,21 4,19
Saúde e Cuidados Pessoais 1,50 3,70 0,20 0,49
Despesas Pessoais 1,03 4,73 0,11 0,49
Educação 1,13 2,81 0,07 0,17
Comunicação 3,42 1,38 0,20 0,08
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços 

A alta de 21,03% do grupo Transportes está relacionada principalmente ao comportamento do preço dos combustíveis (49,02%) ao longo de 2021. A gasolina, subitem de maior peso no IPCA, subiu 47,49%, e o etanol, 62,23%. Apenas nos meses de abril e dezembro houve queda nos preços dos combustíveis. O resultado do grupo também foi impactado pela alta dos automóveis novos (16,16%) e usados (15,05%), principalmente no segundo semestre do ano. Por fim, cabe mencionar as variações das passagens aéreas (17,59%), cujas altas mais intensas ocorreram nos meses de julho, setembro e outubro (35,22%, 28,19% e 33,86%, respectivamente) e dos transportes por aplicativo, que tiveram alta de 33,75% em 2021, em contraste com o que ocorreu em 2020, quando os preços recuaram 5,77%.

Em Habitação (13,05%), a principal contribuição (0,98 p.p.) veio da energia elétrica (21,21%). Nos quatro primeiros meses do ano, vigorou a bandeira amarela, com acréscimo de 1,343 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em maio, foi acionada a bandeira vermelha patamar 1 e, nos três meses seguintes, foi adotada a bandeira vermelha patamar 2, cuja cobrança passou de R$ 6,243 em junho para R$ 9,492 em julho, em função do agravamento da crise hídrica. Os problemas na geração de energia também levaram à criação de uma nova bandeira, intitulada Escassez Hídrica, com acréscimo de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. A bandeira entrou em vigor em setembro e deve ser mantida até abril de 2022. As mudanças no valor da cobrança extra foram decisivas para o resultado do item no IPCA, especialmente nos meses de julho e setembro.

Mês Variação Mensal Bandeira tarifária Cobrança adicional
Janeiro -5,60% Amarela R$ 1,343
Fevereiro -0,71% Amarela R$ 1,343
Março 0,76% Amarela R$ 1,343
Abril -0,04% Amarela R$ 1,343
Maio 5,37% Vermelha 1 R$ 4,169
Junho 1,95% Vermelha 2 R$ 6,243
Julho 7,88% Vermelha 2 R$ 9,492
Agosto 1,10% Vermelha 2 R$ 9,492
Setembro 6,47% Escassez Hídrica R$ 14,20
Outubro 1,16% Escassez Hídrica R$ 14,20
Novembro 1,24% Escassez Hídrica R$ 14,20
Dezembro 0,50% Escassez Hídrica R$ 14,20
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços   

Ainda em Habitação, outro destaque foi o gás de botijão (36,99%), cujos preços subiram em todos os meses de 2021. Com isso, o subitem contribuiu com o 2° maior impacto dentro do grupo (0,41 p.p.).

A variação de Alimentação e bebidas (7,94%) foi menor que a do ano anterior (14,09%), quando contribuiu com o maior impacto entre os grupos pesquisados. Na alimentação no domicílio (8,24%), as maiores altas vieram do café moído (50,24%), com impacto de 0,15 p.p., da mandioca (48,08%) e do açúcar refinado (47,87%). Por outro lado, subitens como a batata-inglesa (-22,82%) e o arroz (-16,88%) tiveram queda de preços em 2021. Vale lembrar que o arroz foi um dos principais componentes da alta do grupo em 2020, quando subiu 76,01%.

Leia mais:  Ciclo de aperto monetário deve avançar “significativamente”, diz Copom

Nos Artigos de residência (12,07%), os destaques foram os itens mobiliário (15,73%) e eletrodomésticos e equipamentos (13,62%). Além disso, os preços dos produtos de tv, som e informática (10,55%) também subiram em 2021.

O grupo Vestuário (10,31%) fechou 2021 com a quarta maior variação entre os grupos. A alta dos preços no segundo semestre, especialmente nos meses de outubro (1,80%) e dezembro (2,06%) foi decisiva para esse resultado. Os itens com maior variação foram as joias e bijuterias (12,76%) e as roupas masculinas (12,60%), que contribuíram conjuntamente com 0,16 p.p. para o índice fechado do ano.

No que diz respeito aos índices regionais, a região metropolitana de Curitiba (12,73%) foi a que teve a maior variação em 2021, influenciada principalmente pela alta de 51,78% nos preços da gasolina. O menor resultado, por sua vez, ocorreu na região metropolitana de Belém (8,10%), onde as maiores contribuições negativas vieram do arroz (-29,62%) e do açaí (-9,77%).

Região Peso Regional Variação anual (%)
2020 2021
Curitiba 8,09 3,95 12,73
Vitória 1,86 5,15 11,50
Rio Branco 0,51 6,12 11,43
Porto Alegre 8,61 4,22 10,99
Campo Grande 1,57 6,85 10,92
Salvador 5,99 4,31 10,78
Fortaleza 3,23 5,74 10,63
Recife 3,92 5,66 10,42
Goiânia 4,17 4,33 10,31
Aracaju 1,03 4,14 10,14
São Luís 1,62 5,71 9,91
São Paulo 32,28 4,40 9,59
Belo Horizonte 9,69 4,99 9,58
Brasília 4,06 3,40 9,34
Rio de Janeiro 9,43 4,09 8,58
Belém 3,94 4,63 8,10
Brasil 100,00 4,52 10,06
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  

INPC sobe 0,73% em dezembro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC teve alta de 0,73% em dezembro, mesma variação do IPCA. O resultado ficou 0,11 p.p. abaixo do registrado no mês anterior (0,84%). Em 2021, o INPC fechou o ano com alta de 10,16%, acima dos 5,45% registrados em 2020. Em dezembro de 2020, a taxa foi de 1,46%.

Após a variação negativa registrada em novembro (-0,03%), os produtos alimentícios tiveram alta de 0,76% em dezembro. Já os não alimentícios tiveram variação menor que a do mês anterior, passando de 1,11% em novembro para 0,72% em dezembro.

Quanto aos índices regionais, todas as áreas registraram variação positiva em dezembro. O menor índice foi observado na região metropolitana de Curitiba (0,29%), por conta da queda nos preços da gasolina (-1,28%) e do etanol (-4,37%). Já a maior variação foi registrada na região metropolitana de Salvador (1,18%), influenciada pelas altas nos preços dos itens de higiene pessoal (3,29%) e da taxa de água e esgoto (8,73%).

Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Novembro Dezembro Ano
Salvador 7,92 1,31 1,18 11,09
Rio Branco 0,72 0,79 1,05 11,06
Recife 5,60 0,82 1,05 10,18
São Luís 3,47 0,52 0,99 9,38
Aracaju 1,29 0,85 0,92 9,69
Porto Alegre 7,15 0,95 0,88 11,38
Belém 6,95 0,11 0,87 7,75
Belo Horizonte 10,35 0,81 0,77 9,55
Goiânia 4,43 1,20 0,67 9,48
Rio de Janeiro 9,38 0,69 0,67 8,78
São Paulo 24,60 0,77 0,60 10,19
Fortaleza 5,16 0,99 0,59 10,80
Vitória 1,91 0,87 0,50 11,44
Brasília 1,97 1,01 0,49 9,83
Campo Grande 1,73 1,30 0,45 10,85
Curitiba 7,37 1,05 0,29 12,84
Brasil 100,00 0,84 0,73 10,16
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de novembro a 28 de dezembro de 2021 (referência) com os preços vigentes no período de 29 de outubro a 29 de novembro de 2021 (base). O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

INPC fecha o ano com alta de 10,16%

O INPC fechou o ano de 2021 com alta de 10,16%, acima dos 5,45% registrados em 2020. Os alimentícios tiveram alta de 7,71%, enquanto os não alimentícios variaram 10,93%. Em 2020, o grupo Alimentação e bebidas havia apresentado variação de 15,53% e, os não alimentícios, de 2,60%. Na tabela a seguir, os resultados por grupo de produtos e serviços.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
2020 2021 2020 2021
Índice Geral 5,45 10,16 5,45 10,16
Alimentação e Bebidas 15,53 7,71 3,42 1,86
Habitação 5,69 13,85 1,00 2,43
Artigos de Residência 5,30 12,74 0,24 0,58
Vestuário -1,37 9,94 -0,07 0,50
Transportes 1,52 19,29 0,31 3,70
Saúde e Cuidados Pessoais 1,66 3,90 0,20 0,44
Despesas Pessoais 1,26 5,50 0,10 0,43
Educação 0,66 3,29 0,03 0,14
Comunicação 3,58 1,29 0,22 0,08
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  

Quanto aos índices regionais, a maior taxa ficou com a região metropolitana de Curitiba (12,84%), especialmente por conta das altas na gasolina (51,78%) e na energia elétrica (24,05%). A menor variação ocorreu na região metropolitana de Belém (7,75%), cujo resultado foi influenciado pelo recuo nos preços do arroz (-29,62%) e do açaí (-9,77%).

Região Peso Regional (%) Variação anual (%)
2020 2021
Curitiba 7,37 4,75 12,84
Vitória 1,91 6,55 11,44
Porto Alegre 7,15 5,22 11,38
Salvador 7,92 4,99 11,09
Rio Branco 0,72 6,92 11,06
Campo Grande 1,73 7,96 10,85
Fortaleza 5,16 6,32 10,80
São Paulo 24,60 5,55 10,19
Recife 5,60 6,56 10,18
Brasília 1,97 4,22 9,83
Aracaju 1,29 4,37 9,69
Belo Horizonte 10,35 5,85 9,55
Goiânia 4,43 5,05 9,48
São Luís 3,47 5,58 9,38
Rio de Janeiro 9,38 5,08 8,78
Belém 6,95 4,32 7,75
Brasil 100,00 5,45 10,16
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços   

Comentários Facebook

Economia & Finanças

MP muda tabela do preço do frete rodoviário de carga

Published

on

Tabela foi elaborada em 2018, após a greve dos caminhoneiros

Foi publicada hoje (17) no Diário Oficial da União (DOU) a Medida Provisória (MP) 1117/2022 que altera uma regra para a elaboração da tabela de preço do piso mínimo de frete rodoviário de carga. A MP reduz de 10% para 5% o percentual de variação no preço do diesel para a correção dos valores da tabela. A medida ocorre após o anúncio de mais uma alta no preço do óleo diesel na semana passada.

Por Luciano Nascimento – Elaborada em 2018, após a greve dos caminhoneiros, a legislação sobre a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas estabelece que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) deve publicar a tabela a cada seis meses, até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, com os valores serão válidos de piso para o semestre.

O texto prevê ainda que a tabela deve ser atualizada sempre que houver oscilação no preço do produto igual ou superior a 10%. Com a mudança introduzida pela MP, esse percentual foi reduzido para 5%.

Leia mais:  Banco Central divulga Ata da 246ª reunião do Copom, realizada nos dias 3 e 4 de maio de 2022.

A partir de agora, sempre que ocorrer oscilação no preço do óleo diesel no mercado nacional superior a 5% em relação ao preço considerado na planilha de cálculos, a ANTT deve atualizar a tabela.

“Com isso, pretende-se dar sustentabilidade ao setor do transporte rodoviário de cargas, e, em especial, do caminhoneiro autônomo, de modo a proporcionar uma remuneração justa e compatível com os custos da atividade”, diz nota publicada pela Secretaria-Geral da Presidência.

Assista:

Para a elaboração da tabela, além do preço do produto, também são considerados a quantidade de quilômetros rodados na realização de fretes, eixo carregado, consideradas as distâncias e as especificidades das cargas definidas, bem como planilha de cálculos utilizada para a obtenção dos respectivos pisos mínimos.

Na semana passada, a Petrobras anunciou um reajuste de 8,87% no preço do diesel para as distribuidoras. De acordo com a empresa, o preço do litro do combustível no atacado passou de R$ 4,51 para R$ 4,91, um aumento de R$ 0,40, que começou a ser cobrado a partir do dia 10.

Leia mais:  MT atinge R$ 15 bilhões recolhidos em tributos, enquanto o país já soma o primeiro trilhão do ano

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue Reading

Economia & Finanças

Receita Federal alerta para golpe na restituição do Imposto de Renda

Published

on

Órgão lembra que é preciso ter cuidado com e-mails

Com a proximidade do prazo final para a entrega da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2022, a Receita Federal alerta os contribuintes sobre a prática de um novo golpe contra as pessoas em processo de declaração do imposto. Na mais nova tentativa de golpe, os criminosos estão se passando pelo órgão para lesar as pessoas que estão prestando contas ao Fisco.

Teletrabalho, home office ou trabalho remoto.

Da ABr – O órgão lembra que é preciso ter cuidado com e-mails, usados para a prática do golpe. Os criminosos enviam e-mails tentando convencer os contribuintes a confirmar um falso cadastro para recebimento da restituição do IRPF. Para dar mais credibilidade, são utilizadas imagens fraudulentas com a logomarca comemorativa da Receita Federal para os 100 anos do Imposto de Renda, além da conta gov.br.

Na mensagem, que contém um link malicioso para visualização de um falso comprovante de recebimento da restituição, os criminosos informam os dados para recebimento da restituição via Pix. Não há dados sobre o número de pessoas que receberam e-mail falso e sobre quem foi lesado.

Leia mais:  Banco Central divulga Ata da 246ª reunião do Copom, realizada nos dias 3 e 4 de maio de 2022.

A Receita lembra que não envia e-mails ou alerta para os contribuintes com mensagens que possuam algum tipo de link e que os contribuintes devem confirmar as informações nos canais oficiais.

“Os alertas enviados pela Receita Federal por e-mail ou mensagem não possuem links de acesso. Todas as informações recebidas devem ser confirmadas diretamente no Portal e-CAC, com acesso seguro por meio da conta gov.br”, afirmou o órgão.

O prazo para enviar a declaração do IR 2022 termina no 31 de maio. Pelo calendário de restituição, os pagamentos começam a ser feitos, em cinco lotes, começando também no próximo dia 31.

Quem não declarar o imposto até o fim do prazo fica sujeito ao recebimento de multa, cujo valor é de 1% ao mês, sobre o valor do imposto de renda devido, limitado a 20% do valor do imposto de renda. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74.

Até a última quinta-feira, a Receita Federal informou que já foram entregues 20.889.198 declarações do IRPF 2022, ano-calendário 2021. A expectativa é que 34.100.000 de declarações sejam enviadas até o final do prazo.

Leia mais:  Comércio exterior brasileiro bate novos recordes nos quatro primeiros meses do ano

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262