conecte-se conosco


ARTIGOS & OPINIÕES

O resultado estético do explante pode decepcionar

Publicado

Por Benedito Figueiredo Junior*

Apesar de muitas famosas estarem realizando a cirurgia de retirada da prótese de silicone, o chamado – explante, seja por modismo ou por aceitação do corpo após alcançarem a maturidade, o resultado pode decepcionar.

Acontece que com a retirada da prótese de silicone o volume do colo desaparece automaticamente e a mama pode perder o formato arredondado e alto com o qual a paciente estava acostumada. Em alguns casos conforme a idade, pode ficar ‘flácido’ ou ‘caído’. E o que era para ser uma opção pelo natural, acaba não tendo o resultado satisfatório.

Por isso é importante antes de tomar uma decisão pensar bem para não se submeter a uma cirurgia pela qual possa se arrepender e consultar um médico e perguntar tudo sobre o procedimento e como será o resultado, para saber o que esperar.

Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica(SBCP) aponta que entre setembro e outubro de 2020,  cerca de 25% dos médicos tiveram pacientes que solicitaram o reimplante nas mamas após o explante por não ficarem satisfeitas com o resultado.

Leia mais:  Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

Veja bem, não estou dizendo que não é  possível conviver sem a prótese de silicone, apenas que antes de tomar uma decisão por modismo ou por possíveis reações ocorridas no corpo associadas às próteses, você deve parar analisar, consultar um médico cirurgião plástico para não se submeter a uma cirurgia desnecessária.

*Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplastic. CRM 4385 e RQE 1266. Email: drbeneplastica@gmail.com

Comentários Facebook

ARTIGOS & OPINIÕES

Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

Publicado


2020 foi o ano da dor, do sofrimento e do desespero para muita gente, 2021 foi o ano da esperança. Não que tenha sido um ano fácil, porque definitivamente não foi, mas começamos a ver uma luz no fim do túnel. E o motivo foi apenas um: a vacinação.  Por causa dela, terminamos o ano passado em uma situação muito melhor do que quando ele começou.

Por Roberta Penha – Há exatamente um ano, em 20 de janeiro de 2021, um maqueiro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid do Hospital São Benedito representou a esperança de todos os cuiabanos, ao receber a primeira dose da vacina contra o coronavírus da capital. Hoje temos quase 1 milhão de doses aplicadas e mais de 80% da população de Cuiabá com o esquema vacinal completo, tendo tomado as duas doses ou a vacina de dose única na campanha Vacina Cuiabá – Sua Vida em Primeiro Lugar da gestão Emanuel Pinheiro.

Como assessora de imprensa da pasta da Saúde municipal, acompanho in loco a rotina da campanha “Vacina Cuiabá – Sua Vida em Primeiro Lugar” desde seu primeiro dia de funcionamento e posso afirmar com propriedade que toda a equipe que atua na campanha vacinação trabalha com uma garra, empenho e alegria impressionantes.

No começo da campanha, devido à urgência de imunizar o máximo de pessoas o quanto antes, a vacinação acontecia de domingo a domingo até 22h, no primeiro polo de vacinação, montado no Centro de Eventos do Pantanal. Com a chegada de quantidades maiores de doses e com maior frequência, a Prefeitura de Cuiabá, por determinação do prefeito Emanuel Pinheiro, expandiu a campanha para novos polos em diferentes regiões da cidade.

Leia mais:  Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

No segundo semestre, depois que mais da metade da população já havia recebido pelo menos uma dose da vacina, a campanha passou para uma nova fase, com o fechamento de alguns polos de vacinação e o começo da aplicação das vacinas em várias unidades básicas de saúde, espalhadas por toda a cidade, ação que facilitou o acesso da população às vacinas.

Quando acreditávamos que a campanha estava perto de acabar, vieram as novidades: vacinação de adolescentes, aplicação da dose de reforço e mais recentemente, vacinação das crianças. Apesar do nítido cansaço das equipes que atuam na campanha, ninguém desanima. Neste momento em que o número de pessoas contaminadas pela Covid-19 voltou a subir vertiginosamente, a constatação de que a vacina está realmente cumprindo o seu papel, que é o de evitar o agravamento dos casos e as mortes, deu um ânimo a mais para que a campanha de vacinação continue a todo vapor.

É um privilégio ter a oportunidade de trabalhar com uma equipe tão comprometida quanto esta da campanha de vacinação. Desde o pessoal que faz a limpeza, que cuida da portaria, do registro, da aplicação da vacina, do call center, até a coordenação da campanha, todos dão o seu melhor para que a imunização seja um sucesso.

Não poderia deixar de destacar a atuação de uma pessoa em especial, a coordenadora geral da campanha de imunização, Valéria de Oliveira. Muito antes da vacinação começar, ela já estava com sua equipe da Vigilância Epidemiológica e do Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde traçando todo o fluxo para o funcionamento da campanha. E mesmo depois de ter passado por uma tragédia pessoal, com a perda de seu marido para a Covid-19 em junho de 2021, ela continuou à frente da campanha, coordenando com pulso firme e muita responsabilidade. Após o período inicial do luto, Valéria retornou à campanha e mesmo com todas as atribulações, que não foram poucas, ela não esmoreceu e continuou à frente da imunização. Para ela essa campanha é uma missão, que tem o objetivo de salvar vidas e ela não pretende abandonar esse propósito até concluí-lo.

Leia mais:  Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

Para realizar este trabalho, Valéria teve ao seu lado, desde o começo, a gerente da Vigilância Epidemiológica, Flavia Guimarães. Flávia é uma profissional brilhante, com um extenso conhecimento técnico e também extremamente comprometida. Além de Flávia, várias outras profissionais são imprescindíveis para o sucesso da campanha, como por exemplo a Vera Lúcia Ferreira, coordenadora de acolhimento e registro, que tem sido uma guerreira, atendendo com toda a paciência do mundo as pessoas que chegam ao polo de vacinação mais exaltadas.

Sabemos que a campanha está longe de acabar, mas hoje já podemos respirar aliviados. Com o avanço da vacinação, cada vez menos pessoas têm a forma grave da doença e morrem de Covid-19 e esse panorama é resultado direto da imunização da população. Neste aniversário de 1 ano do começo da campanha, todos nós só temos a agradecer por estarmos vivos, imunizados e com saúde, para continuarmos firmes nesta missão.

Não deixem de se vacinar. Vacinas salvam vidas!

Comentários Facebook
Continue lendo

ARTIGOS & OPINIÕES

Janeiro Branco: mês destinado a pensar como anda sua saúde mental

Publicado

por

Por Max Lima*

O Janeiro Branco é uma campanha brasileira iniciada em 2014 que busca chamar a atenção para o tema da saúde mental na vida das pessoas. O mês de janeiro foi escolhido porque é neste mês que as pessoas estão mais focadas em resoluções e metas para o ano. Aí começa o estresse das contas para pagar e das coisas que não foram feitas no ano que passou e a ansiedade em realizar no ano que começa. Tudo isso influencia no seu organismo e aumenta o risco de doenças cardíacas.

Por isso é necessário tomar medidas para apoiar a saúde mental pode potencialmente melhorar a saúde do coração também.

Pesquisadores descobriram cada vez mais ligações entre problemas de saúde mental e maior risco de doenças cardíacas, já que os transtornos mentais podem afetar seu comportamento.

Por exemplo, você pode ter menos probabilidade de fazer exercícios regularmente ou mais probabilidade de beber muito álcool se estiver se sentindo deprimido. Além disso, alguns problemas que afetam nossa saúde mental, e certos transtornos mentais, também podem desencadear mudanças físicas no corpo que podem elevar o risco cardíaco de várias maneiras.

Estresse

O estresse de longo prazo pode aumentar a pressão arterial, reduzir o fluxo sanguíneo para o coração, diminuir a capacidade de bombeamento do coração, desencadear ritmos de bombeamento anormais e ativar o sistema de coagulação do sangue e sua resposta inflamatória.  Durante a pandemia, as pessoas desenvolveram a cardiomiopatia de estresse – um enfraquecimento do ventrículo esquerdo do coração acionado emocionalmente.

Leia mais:  Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

Experiências traumáticas de infância

Experiências traumáticas da infância, como ser negligenciado; sofrer abuso físico, sexual ou emocional; ou testemunhar violência em casa são conhecidos pelos profissionais de saúde como experiências adversas na infância.

Depressão

A depressão praticamente dobra o risco de desenvolver doença arterial coronariana, de acordo com um artigo de revisão. Outros estudos mostram que pessoas que já têm doenças cardíacas têm três vezes mais probabilidade de ficar deprimidas do que outras pessoas.

Hostilidade e raiva

Pessoas que costumam ficar zangadas têm duas a três vezes mais chances de ter um ataque cardíaco ou outro evento cardíaco do que outras pessoas.

Isolação social

As evidências mostram que homens e mulheres que vivem sozinhos têm uma probabilidade significativamente maior de ter um ataque cardíaco ou morrer repentinamente de um.

Mas  o que fazer?

Se você está lutando com qualquer um desses problemas, existem coisas que você pode fazer para melhorar sua saúde mental e, potencialmente, sua saúde cardíaca também.

Leia mais:  Campanha Vacina Cuiabá completa 1 ano com muita dedicação de todos os profissionais envolvidos

Primeiro passo procure um especialista em saúde mental para ajudá-lo a superar muitos desafios, incluindo traumas graves do passado. A psicoterapia, como a terapia cognitivo-comportamental (projetada para quebrar padrões de pensamento negativos) e a medicação são apenas algumas das opções que podem ajudar.

Mude o estilo de vida com pequenas mudanças como adicionar mais frutas e vegetais ao seu prato ou caminhar pela casa podem ajudar. Tente encontrar atividades físicas de que goste e que possam ajudá-lo a se manter motivado.

Mantenha seu cérebro ativo com um hobby

Controle o seu estresse. Faça meditação da atenção plena, que incentiva a autoconsciência e o foco no presente. Exercícios regulares, dieta saudável e sono de boa qualidade também podem ajudar a manter os níveis de estresse sob controle.

Lembre-se sempre há tempo de mudar seu estilo de vida e ser feliz.

*Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194. Email: maxwlima@hotmail.com

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262