conecte-se conosco


MT

Servidores da Sefaz são capacitados em auditoria contábil e fiscal

Publicado

Sessenta fiscais de tributos da Secretaria de Fazenda (Sefaz), participaram nesta semana de uma capacitação em auditoria contábil e fiscal do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a fim de aprimorar as atividades inerentes ao fisco. As informações repassadas no treinamento serão aplicadas nas rotinas de monitoramento e fiscalização para a identificação de fraudes e crimes contra a ordem tributária.

De acordo com o superintendente de Fiscalização da Sefaz, José Carlos Bezerra, dentro das informações contábeis podem estar escondidas algumas condutas criminosas de sonegação e o processo de auditoria fiscal e contábil possibilita a recuperação desse débito tributário.

“Buscamos com essa capacitação outras técnicas de desenvolver a auditoria fiscal e contábil em que a gente foque na conduta que é fraude, que é crime contra a ordem tributária para recuperar justamente o imposto e encontrar os fraudadores. E para isso, a contabilidade pode ser uma grande aliada”.

José Carlos ressalta que esta é uma primeira etapa da implementação do processo de auditoria fiscal e contábil dentro das unidades sob responsabilidade da Superintendência de Fiscalização. Posteriormente, um grupo técnico especializado será formado para subsidiar as análises e tomadas de decisões. Essa é mais uma ferramenta e metodologia a ser utilizada pelo Fisco de Mato Grosso no combate às fraudes e crimes tributários.

Leia mais:  Indicações visam melhorar infraestrutura em Poconé

Com esse trabalho de auditoria dentro da fiscalização a pasta fazendária espera recuperar grande parte do imposto sonegado. “Temos cálculos estimados de fraude que giram em torno de R$ 1,3 bilhão por ano. É claro que a gente não recupera 100% disso, mas esperamos que resulte em recolhimento pelo menos metade desse valor dentro do trabalho de fiscalização, tendo em vista que algumas informações de eventos tributários, que deveriam ter seu recolhimento realizado e que não estão declarados nos registros fiscais, podem ser contatadas a partir das informações contábeis”, explica José Carlos.

Durante a capacitação, os servidores aprenderam os conceitos básicos em auditoria e os benefícios do uso dos roteiros de auditoria para fiscalização do ICMS. Dentre os facilitadores, estava o auditor fiscal da Secretaria de Economia do Estado de Goiás, Bruno Marçal, que apresentou aos fiscais a técnica em auditoria utilizado pela secretaria goiana, que desenvolve esse trabalho desde 2011.

“Essa é uma técnica antiga que ao longo dos anos foi deixada de lado pelos fiscos e que hoje, na busca de materializar outros crimes além dos crimes tributários, a exemplo do crime de lavagem de dinheiro, ela possibilita maior qualidade da prova e segurança jurídica dos autos de infração, decorrentes da auditoria”, afirma Bruno.

Leia mais:  Alunos da rede estadual se destacam em Olímpiadas Nacional de Ciências

Para ele, a capacitação em auditoria contábil e fiscal é fundamental tendo em vista a evolução dos fiscos estaduais e também dos crimes tributários.

“Os Fiscos estaduais se desenvolveram muito nas questões dos documentos fiscais eletrônicos e com isso a fiscalização ficou mais eficiente. Então o contribuinte também já aprendeu como trabalhar para entregar informações eletrônicas que não despertem atenção do Fisco. E na auditoria contábil a gente une a informação fiscal com a financeira para pegar essas situações”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

MT

Escola de VG aposta em feira cultural com a temática voltada para a Amazônia

Publicado

por

A Escola Estadual Dom Bosco, de Várzea Grande, realizará a sua 1ª Feira Cultural na próxima quarta-feira (20.11). Intitulada “Um Olhar Para a Amazônia”, a mostra terá a participação de 620 alunos, que mostrarão trabalhos relacionados ao desmatamento, culinária, índice populacional, além dos rios da região. Os estudantes apresentarão atividades relativas a mortandade dos animais a destruição da fauna e flora. Na parte cultural, serão abordados o folclore com suas lendas, danças e músicas típicas da Amazônia. 

Todas as atividades apresentadas na feira cultural serão construídas pelos alunos e professores. A ideia é que os jovens se sintam protagonistas de seu próprio conhecimento, participando ativamente no processo.

Segundo a diretora Suzan Kelly de Souza Campos de Paula, a ideia nasceu de uma conversa informal, em sala de aula, sobre o desmatamento e as queimadas que vêm atingindo nossas florestas. “Os professores observaram que o assunto estava em foco nas mídias, e devido a esse problema mundialmente discutido a equipe gestora juntamente com os professores e alunos decidiram realizar um projeto”, assinala. No entendimento da diretora, os alunos necessitam saber da grande importância da Amazônia para a humanidade, passando assim a valorizá-la.

Leia mais:  Direito à RGA é julgado hoje pelo TJMT

“Sem dúvida o nosso foco com esse projeto é fazer com que o aluno conheça melhor, para valorizar e aprender a preservar um bem que é de toda a humanidade, modificando as relações que o homem estabelece com a natureza e a forma de utilização de seus recursos” falo a professora de história Eliane Maria.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

MT

Segunda etapa da vacinação contra sarampo começa nesta segunda-feira (18)

Publicado

por

A segunda etapa da vacinação contra o sarampo começa nesta segunda-feira (18.11) e imunizará, até 30 de novembro, adultos de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. Para garantir mais efetividade à campanha, além da dose de rotina, Mato Grosso recebeu 35 mil doses extras como forma de facilitar o acesso da população à imunização.

Ciente de que a vacina tríplice viral é a forma mais segura de prevenir o sarampo, protegendo também contra a rubéola e a caxumba, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, reforça o pedido à população mato-grossense para que procurem o posto de saúde mais próximo para vacinar.

“Essa é uma força-tarefa nacional de imunização contra o sarampo. Até o momento, Mato Grosso não tem casos confirmados de sarampo e não queremos que a doença, que chegou a ser erradicada no Brasil, volte a circular no Estado”, disse o secretário.

Conforme dados do Ministério da Saúde, um total de 68.814 mil mato-grossenses, entre 20 e 29 anos, não estão imunizados contra a doença. A proposta da campanha é diminuir esse número. Para isso, o Ministério deve enviar para o Estado, na próxima semana, novas doses da vacina.

Leia mais:  MT institui programa preventivo contra acidentes na 3ª idade

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), Alessandra Moraes, explica que, diferentemente dos anos anteriores, essa faixa-etária foi selecionada porque apresentou, em outros estados com casos confirmados de sarampo, uma gravidade no acometimento da doença, evoluindo, muita das vezes, para internações.

“Esse grupo precisa ter duas doses da vacina para ser considerado imunizado. É importante buscar uma unidade de saúde e levar o cartão vacinal para que possa ser vacinado. Se não puder comprovar que já recebeu alguma dose da vacinação, a pessoa vai tomar a primeira dose da vacina normalmente e 30 dias depois irá tomar a segunda dose”, informa.

Além da participação espontânea das pessoas, Alessandra destaca a importância de os munícipios estarem ativos na campanha. “É importante também que os municípios não percam a oportunidade de vacinar esse público. Então, é imprescindível ficar atento aos espaços onde os jovens estão e buscar levar as  informações sobre vacinação a esses meios. Essas são estratégias que os municípios podem utilizar para acessar este público”, avalia a coordenadora.

Leia mais:  Alunos da rede estadual se destacam em Olímpiadas Nacional de Ciências

Sobre o sarampo

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa, que pode evoluir para complicações graves e óbitos. A doença é transmitida por meio das secreções expelidas pelo doente ao falar, tossir e espirrar. O comportamento endêmico/epidêmico do sarampo varia de um local para outro e depende basicamente da relação entre o grau de imunidade e a suscetibilidade da população, bem como da circulação do vírus na área.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262