conecte-se conosco


GERAL

Barragem se rompe em cidade do sudeste de Minas Gerais 

Publicado


Uma barragem se rompeu na manhã de hoje (14), na cidade de Ouro Fino (MG), a cerca de 50 quilômetros de Pouso Alegre, no sudeste de Minas Gerais. Embora um grande volume de água e material arrastado tenha atingido o Rio Mogi Guaçu, elevando momentaneamente o seu nível e chegando a interditar uma ponte, não há, até o momento, registro de feridos ou de danos materiais.

Segundo a Defesa Civil estadual e o Corpo de Bombeiros, a barragem fica em uma propriedade particular na área rural de Ouro Fino. As circunstâncias do rompimento da estrutura ainda serão apuradas.

Emergência

De acordo com a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), 31 barragens de Minas Gerais apresentam algum nível de emergência. Vinte e duas delas estão em nível 1 (quando há anormalidade, mas não há necessidade de retirada de moradores vizinhos), seis em nível 2 (quando há risco de rompimento e é recomendada a retirada de moradores) e três em nível 3 (quando há risco iminente de rompimento e moradores são obrigados a sair de suas casas).

Leia mais:  Especialistas discutem monitoramento e desmatamento do Cerrado

As três barragens de rejeitos de mineração em nível 3 de emergência ficam em Nova Lima (barragens B3/B4); Ouro Preto (Forquilha III) e Barão de Cocais (Sul Superior), e pertencem à mineradora Vale. Ainda segundo a Feam, as áreas passíveis de serem atingidas por um eventual rompimento dessas estruturas já foram evacuadas e não há mais pessoas vivendo no entorno.

No início da semana, o governo e o Ministério Público estaduais notificaram as mineradoras responsáveis pelas 31 barragens em estado de emergência para que fornecessem informações sobre os efeitos das recentes chuvas que atingiram Minas Gerais e as medidas adotadas para monitorar o grau de segurança estrutural das construções. Ontem (13), a Feam informou que recebeu os dados exigidos e começou a analisá-los.

Relatório

Um relatório será elaborado para cada uma das estruturas de contenção, avaliando as ações que as empresas estão implementando para garantir a segurança das estruturas e, caso necessário, medidas complementares serão determinadas. Os documentos devem ser finalizado dentro de cinco dias.

“Esta é uma ação preventiva, adicional ao esforço feito pelo governo de Minas Gerais, pelo Ministério Público estadual e também pela Agência Nacional de Mineração [ANM], ao longo de todo o ano, com as ações rotineiras previstas nas políticas nacional e estadual de segurança de barragens”, disse a secretária estadual Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo, em nota.

Leia mais:  Rio: obra de saneamento prevê remoção de 800 famílias do Jacarezinho

Também em nota, a ANM garantiu que a equipe de segurança de barragens de mineração da agência está “em alerta” por causa das chuvas intensas em Minas Gerais. Segundo a ANM, o volume das chuvas que atingiu o estado “gerou transtornos à população, paralisou atividades de exploração mineral e comprometeu aspectos do estado de conservação em algumas estruturas de contenção de rejeitos”.

“A ANM vem acompanhando a situação das barragens de mineração localizadas nas regiões com previsão de chuvas frequentes, delimitada pela Defesa Civil, Cptec [Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos] e INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] para a semana de 10 a 17/01/2022”, acrescentou a agência. 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

PF faz operação contra fraudes na concessão de benefícios do INSS

Publicado


A Polícia Federal fez hoje (27) uma operação contra fraudes na concessão de auxílios por incapacidade temporária na capital paulista e em Mogi das Cruzes (Grande São Paulo). Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão nas residências de dois servidores públicos e na agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em que eles trabalhavam.

As apurações da polícia indicam que o servidor do INSS fazia a remarcação das perícias para que pessoas que participavam do esquema fossem examinadas pelo perito federal, que também foi alvo da operação de hoje. Os dois cobravam, segundo a investigação, propina para que os beneficiários fossem afastados do trabalho e recebessem o benefício.

O perito foi afastado judicialmente de suas funções.

As investigações tiveram apoio do Núcleo de Inteligência da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista do Ministério do Trabalho e Previdência e do Monitoramento Operacional de Benefícios (MOB) do INSS.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Leia mais:  Operação demole construções irregulares no Rio de Janeiro
Continue lendo

GERAL

Operação demole construções irregulares no Rio de Janeiro

Publicado


Depois de demolir 20 imóveis irregulares em operação ontem (26), a força-tarefa do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) de enfrentamento à ocupação irregular do solo urbano faz hoje (27) nova ação contra construções em áreas invadidas.

Desta vez, as demolições ocorrem em terrenos desapropriados pela prefeitura do Rio para a construção da via expressa Transolímpica, na zona oeste da cidade. Segundo o MPRJ, a área invadida é zona de amortecimento e fica a 350 metros do Parque Estadual da Pedra Branca.

“Trata-se, portanto, de loteamento ilegal, capitaneado por organização criminosa que atua na região, contando com residências prontas e sete ainda em construção, todas irregulares e erguidas sobre o túnel da Transolímpica”, diz  nota do Ministério Público.

Também participam da ação desta quinta-feira as secretarias municipais de Meio Ambiente e de Conservação e Serviços Públicos, além do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Estado.

A organização responsável pelo loteamento clandestino foi denunciado em 2019 pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado por parcelamento irregular do solo urbano, delitos contra o meio ambiente, furto de energia elétrica, extorsão a moradores mediante cobrança de taxas, falsificação de documento particular, falsidade ideológica e uso de documento falso.

Leia mais:  Rio: obra de saneamento prevê remoção de 800 famílias do Jacarezinho

Alguns integrantes da organização foram presos em março de 2020, na Operação Condomínio Fechado.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262