Connect with us

ARTIGOS & OPINIÕES

Conceitos básicos de finanças para gestão empresarial

Publicado em

Por Francisco Barbosa Neto*

Com determinação e disciplina é possível entender os conceitos básicos de finanças para ter sustentabilidade nos negócios

Quando um empreendedor coloca em prática suas ideias e abre uma empresa, passa a ter a responsabilidade de gerir o negócio como um empresário. Porém, para muitos, encarar a parte administrativa pode ser desafiador para conseguir esta realização. Isso acontece porque o empreendedor e o empresário têm diferentes perfis. Sendo assim, o empreendedor tem mais facilidade para criar e o empresário atua melhor na gestão do negócio (lidar com os números relacionados aos conceitos básicos de finanças).

Como o brasileiro tende a ter um perfil mais de empreendedor do que de empresário, é natural que enfrente dificuldades com gestão financeira ao empreender. Isso sem contar com a defasagem educacional do país, que não proporciona uma educação financeira adequada nas escolas.

Entretanto, com um pouco de determinação e disciplina é possível entender os conceitos básicos de finanças e desenvolver uma boa gestão financeira.

Dicas de ouro para a prosperidade do negócio

Não tente fazer tudo sozinho! Uma empresa é constituída de pessoas, administradas por pessoas para servir pessoas, logo precisa de equilíbrio na distribuição de tarefas e responsabilidades. Delegue tudo o que puder para que a administração e o funcionamento da empresa não dependa exclusivamente de você. Saia do operacional e vá para o estratégico.

Leia mais:  Abdominoplastia e lipoaspiração não são cirurgias para perder peso, mas modelar o corpo

Desenvolva os seus colaboradores! Sua equipe precisa estar alinhada com o propósito do negócio e bem preparada para o serviço. Para isso, disponibilize treinamentos e invista no motivacional. Pessoas capacitadas e satisfeitas com o trabalho geralmente produzem mais e representam melhor a empresa diante dos clientes.

Valorize o seu cliente! Procure entender os anseios e necessidades por trás da busca pelo seu produto, mercadoria ou serviço e se questione: “É isso que estou entregando? Estou cumprindo o real propósito com o negócio?” Lembre-se que as pessoas não compram o que você vende, mas o como e o porquê você faz.

Controle o seu estoque! Engana-se quem pensa que estoque cheio é garantia de sucesso, visto que, se for um produto ou mercadoria que tenha pouca saída, o valor investido ficará “preso”. Por isso, em vez de gastar o que a empresa não tem para alimentar o estoque, faça uma análise para verificar qual é a média de vendas de cada item, qual é a margem bruta (preço – custo), o prazo de reposição e programe o abastecimento do estoque. Isso aumentará o seu capital de giro!

Leia mais:  Não se engane: cigarro eletrônico faz tanto mal quanto o comum

Personalize a sua gestão financeira! Embora exista muita semelhança entre algumas empresas, cada negócio é único e as causas da falta de liquidez variam bastante. Consequentemente, é muito provável que os métodos de gestão de uma empresa não funcionem para outra.

*Sobre Francisco Barbosa Neto: Especialista em Gestão e Finanças, Founder/CEO da Projeto DSD Consultores e criador da plataforma Fluxo de Caixa Online. Iniciou suas atividades em 1989, tendo como propósito de ampliar a consciência financeira, atuando em empresas de diversos setores e portes do país. Há mais de 13 anos ministra cursos e palestras para empresários e profissionais que buscam entender o potencial do seu negócio e quais são os erros mais comuns em finanças. Graduado em Engenharia Mecânica pela FEI, com curso de especialização em Administração, Finanças e Qualidade.

Comentários Facebook

ARTIGOS & OPINIÕES

Não se engane: cigarro eletrônico faz tanto mal quanto o comum

Published

on

Muitas pessoas migraram para os vapes ou cigarros eletrônicos achando que ele faz menos mal que os comuns. Só que é um mero engano.
Os dois cigarros, comum e eletrônico, contêm nicotina, substância que é altamente danosa ao organismo: os sistemas respiratório e cardiovascular são os principais lesados. Estimulante da produção de dopamina e serotonina, hormônios ligados ao prazer e bem-estar, o elemento contrai os vasos sanguíneos, aumentando a pressão sanguínea e acelerando o coração, podendo ocasionar um infarto ou um Acidente Vascular Cerebral.
Mesmo as opções vendidas como sendo menos prejudiciais, como os cigarros eletrônicos sem nicotina, não devem ser consumidas. Uma pesquisa realizada pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças, nos Estados Unidos, em 2015, mostrou que o vapor gerado pelo aparelho também pode causar inflamações pulmonares. Substâncias como a acroleína, presente neste tipo de vape, são danosas às moléculas que mantêm as células endoteliais unidas.
O “e-cigarro” é composto, normalmente, por uma lâmpada de LED, bateria, microprocessador, sensor, atomizador e cartucho de nicotina líquida. Esta última é aquecida por uma pequena resistência, fazendo com que se torne vapor. Existe uma falsa sensação de segurança conferida ao fumante, conforme documento elaborado pela Anvisa em 2017.
Por isso, é muito importante restringir esse tipo de aparelho.
Relatório da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, da Organização Mundial da Saúde (OMS), pede para que os 181 países participantes proíbam dispositivos eletrônicos para fumar.
Uma das estratégias da indústria para driblar as restrições e atrair jovens é colocar sabores no aparelho. É uma espécie de armadilha para fazer com que as pessoas viciem-se em um produto muito lucrativo para um mercado ilegal.
Estima-se que 90% dos fumantes iniciaram a prática antes dos 19 anos e o vaper pode ser um atrativo sedutor aos adolescentes, induzindo a um novo vício. Embora o Brasil tenha se tornado a segunda nação do mundo a adotar todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o combate ao tabagismo, a dependência ainda mata cerca de 430 pessoas por dia, conforme dados do Instituto Nacional de câncer (Inca). Se o hábito de fumar fosse abolido, mais de 156 mil vidas seriam poupadas anualmente no País.
O tabaco agride o endotélio, a parede de células que recobre os vasos sanguíneos, e interfere na produção de óxido nítrico, tornando as artérias mais suscetíveis à formação de placas arteroscletróticas. O cigarro também acelera a oxidação do colesterol e, em associação à pílula anticoncepcional, pode aumentar o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC) em mulheres.
Combate ao tabagismo:
Tratar de forma medicamentosa os fumantes, com acompanhamento médico, é uma das maneiras mais eficazes para o abandono do vício. Além disso, a adoção de leis que dificultem o consumo do tabaco é outro modo de melhorar os índices de saúde brasileiros.

Leia mais:  Não se engane: cigarro eletrônico faz tanto mal quanto o comum

Um avanço relevante foi a entrada em vigor, há dez anos, da Lei Antifumo no Estado de São Paulo, que tem a maior população do País.
Devemos comemorar esse importante aniversário, considerando que, nos primeiros oito anos de vigência da norma, os consumidores de cigarros na capital paulista diminuíram de 18,8% dos paulistanos, em 2009, para 14,2%”. A lei, que entrou em vigor no mês de agosto de 2009, proibiu fumar em lugares fechados.

Max Lima

*Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva,conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194
Email: [email protected]

Comentários Facebook
Continue Reading

ARTIGOS & OPINIÕES

Abdominoplastia e lipoaspiração não são cirurgias para perder peso, mas modelar o corpo

Published

on

Por Benedito Figueiredo Junior*

Muitas mulheres procuram o consultório no intuito de emagrecer. Só que a abdominoplastia e a lipoaspiração são procedimentos realizados para remover gordura corporal, mas não são tratamentos para perda de peso e nem contra a obesidade.

É necessário que a paciente entenda que com obesidade o resultado da plástica de abdômen não vai ser favorável. Há uma necessidade que ele entre no mínimo de peso ideal para poder fazer a cirurgia. Quanto à lipoaspiração, a grande indicação dela é para gordura localizada, ela não pode ser considerada um tratamento de emagrecimento.

É importante observar o IMC (índice de massa corpórea), que é a diferença entre peso e altura. Valores de IMC acima de 30 limitam o resultado da cirurgia, quanto a melhora estética.

Todo o cirurgião plástico sabe que a retirada da quantidade de gordura retirada por lipoaspiração é de 6% do peso corporal conforme estabelecido pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Funciona mais ou menos assim, se o paciente tem 70 kg eu posso aspirar, no máximo, até quatro litros e duzentos, senão eu vou tornar essa cirurgia plástica de risco muito alto.

Leia mais:  Não se engane: cigarro eletrônico faz tanto mal quanto o comum

De acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética- ISAPS, antes do início da pandemia, em 2019, o Brasil era responsável por 13% de todas as cirurgias plásticas estéticas realizadas no mundo. O número equivale a quase um milhão e 500 mil procedimentos.

O importante é que o profissional seja cirurgião plástico e membro da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).

*Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplastic. CRM 4385 e RQE 1266. Email: [email protected]

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana