Connect with us

Economia & Finanças

Copom inicia quarta reunião do ano avaliando fim de altas da Selic

Published

on

Expectativa é que taxa suba de 12,75% para 13,25% ao ano

Em meio aos impactos da guerra no leste europeu e do nervosismo no mercado financeiro internacional, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa hoje (14) a quarta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic. Amanhã (15), ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.

© Marcello Casal Jr

Por Wellton Máximo – Nas estimativas das instituições financeiras, o Copom deverá encerrar o ciclo de aumento de juros, apesar das pressões atuais sobre a inflação. Segundo a edição mais recente do boletim Focus, pesquisa semanal com analistas de mercado, a Selic deverá passar de 12,75% para 13,25% ao ano, com alta de 0,5 ponto percentual. Os analistas de mercado esperam que a taxa permaneça nesse nível até o fim do ano.

Na ata da última reunião, os membros do Copom tinham sinalizado que pretendiam concluir o ciclo de alta da Selic porque as elevações dos últimos meses ainda estão sendo sentidas pelo mercado. No entanto, a guerra entre Rússia e Ucrânia passou a impactar a inflação brasileira, por meio do aumento dos combustíveis, de fertilizantes e de outras mercadorias importadas. Além disso, a instabilidade na economia norte-americana, que enfrenta a maior inflação nos últimos 40 anos, têm elevado a cotação do dólar em todo o planeta.

Leia mais:  Paulo Guedes diz que BNDES ainda deve bilhões ao governo

O mercado financeiro sentiu o impacto da economia externa. A última edição do boletim Focus elevou a previsão de inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 8.89% para 9% em 2022

Para 2022, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2% e o superior é 5%. Os analistas de mercado consideram que o teto da meta será estourado pelo segundo ano consecutivo.

Aperto monetário

Principal instrumento para o controle da inflação, a Selic continua em ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegou a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até chegar ao menor nível da história, em agosto de 2020, em 2% ao ano. Começou a subir novamente em março do ano passado, tendo subido 10,75 pontos percentuais até agora.

Taxa Selic

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia. Ela é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião.

Leia mais:  Entidades do setor produtos criticam aumento da Selic

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, pretende conter a demanda aquecida, causando reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas seguram a atividade econômica. Ao reduzir a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Entretanto, as taxas de juros do crédito não variam na mesma proporção da Selic, pois a Selic é apenas uma parte do custo do crédito. Os bancos também consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.

Edição: Graça Adjuto

Comentários Facebook

Economia & Finanças

Cesta básica em Cuiabá volta a custar menos de R$ 700, segundo IPF-MT

Published

on

Após duas semanas consecutivas de aumento, o valor da cesta básica passou teve um recuo nesta semana, chegando a R$ 695.63. Uma queda de R$4,39, que representa de – 0,63%, comparando a terceira e a quarta semana de junho. É o que aponta o levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisas e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT). 

Da assessoria – O cenário econômico do país e as relações de impacto do clima nas lavouras têm influenciado diretamente nos preços dos alimentos da cesta básica nas últimas semanas. Ainda, segundo o IPF-MT, esse recuo reflete na queda do preço de quase 23% dos alimentos.

“Esta semana constatamos uma queda considerável de quase R$ 5, depois de duas semanas passando a casa dos R$ 700. Porém, esperamos que nas próximas semanas, ocorra um novo aumento devido à crescente inflação e o retorno do reajuste da gasolina”, é o que prevê o diretor do instituto e superintendente da federação, Igor Cunha.

Conforme a pesquisa, os produtos que apresentaram a maior diminuição no preço foram o tomate (-14,92%), que teve o segundo declínio neste mês, e a batata (-13,72%). Já a banana, que vinha em queda desde o começo de junho, nesta semana teve alta de 9,42%, uma média de R$ 5,67. Esse aumento pode ser associado à baixa oferta do produto nos supermercados, segundo a pesquisa.

Leia mais:  Alta da Selic encarece crédito e prestações, diz Anefac

O levantamento da cesta básica é realizado semanalmente pelo Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio-MT (IPF-MT), que analisa 13 itens que compõem a cesta com base em uma família de três a quatro pessoas.

 

Comentários Facebook
Continue Reading

Economia & Finanças

Tesouro honra em maio R$ 637,43 milhões em dívidas garantidas pela União, totalizando R$ 3,27 bilhões em 2022

Published

on

Foram honradas dívidas de 4 Estados (Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul e Minas Gerais)

Em maio/2022, a União pagou R$ 637,43 milhões em dívidas garantidas dos entes subnacionais, sendo R$ 463,64 milhões relativos a inadimplências do Estado do Rio de Janeiro, R$ 76,17 milhões do Estado de Goiás, R$ 66,21 milhões do Estado do Rio Grande do Sul e R$ 31,41 milhões do Estado de Minas Gerais.  Os dados estão no Relatório de Garantias Honradas pela União em operações de crédito, divulgado hoje (22/06) pela Secretaria do Tesouro Nacional.

No acumulado do ano a União honrou R$ 3,27 bilhões em dívidas garantidas de entes subnacionais. Os mutuários que tiveram os maiores valores honrados no ano foram os estados de Minas Gerais (R$ 1,30 bilhão, ou 39,72% do total), Rio de Janeiro (R$ 1,09 bilhão, ou 33,35% do total) e Goiás (R$ 568,00 milhões, ou 17,39% do total)

No total, desde 2016, a União realizou o pagamento de R$ 45,18 bilhões com o objetivo de honrar garantias em operações de crédito.

Leia mais:  Microempresas e MEI poderão acessar programa de crédito garantido

A tabela 3 do Relatório apresenta os mutuários impedidos de obter garantia a novas operações de crédito devido a ocorrência de honra de aval ou de atraso nos pagamentos de operações de crédito garantidas, conforme dispõe o art. 13 da Portaria MF nº 501, de 23 de novembro de 2017, alterado pela Portaria ME nº 376, de 10 novembro de 2020.

Além do Relatório Mensal de Garantias Honradas – RMGH, as informações de garantias honradas estão disponíveis no Painel de Garantias Honradas, uma ferramenta para visualização de dados com recursos visuais inovadores e gráficos interativos.

Acesse aqui o Relatório completo de garantias honradas pela União relativo a maio/2022.

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262