conecte-se conosco


GERAL

EBC exibe terça-feira cena recriada da primeira radionovela brasileira

Publicado


Uma cena de Em Busca da Felicidade, a primeira radionovela brasileira, foi recriada nesta semana no Museu da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, em uma parceria entre a Rádio Nacional do Rio e a TV Brasil. A gravação, de cerca de 1 minuto, vai ao ar a partir de terça-feira (15) nas rádios da EBC, em suas redes sociais e na TV Brasil, para comemorar 80 anos da obra pioneira na dramaturgia brasileira.

A cena conta com parte do texto original que foi ao ar nos anos 1940, e a atriz Amanda Tamarozzi interpreta Alice, uma jovem criada por um casal rico, que se descobre filha da empregada da família. Ela contracena com Gabriel Barreto, que interpreta Carlos, filho do patrão e par romântico de Alice na trama. Na versão original da novela, os papéis foram de Isis de Oliveira e Luís Tito.

A atriz escalada para dar nova vida ao texto conta que ficou emocionada por atuar em um estúdio que fez parte da história da radionovela e disse que a experiência teve desafios bem específicos. “Tem que ter muito jogo de olhar. Por mais que seja só a voz aparecendo, se você não está de olho no seu colega, você acaba perdendo o tempo. E o tempo é precioso.”

Sob direção de Waldecir de Oliveira e Bruno Barros, a cena também conta com o sonoplasta Bruno de Souza e o narrador Octavio Vargas. O trabalho resgata recursos característicos da radionovela, como a introdução e o encerramento com narração e os efeitos sonoros que ajudam o ouvinte a imaginar o movimento dos personagens e o ambiente em que se passa a novela.

Leia mais:  Geração de resíduos domiciliares e urbanos cresce na pandemia

Waldecir de Oliveira e Bruno Barros explicam que a cena busca explorar essas características da radionovela ao mesmo tempo em que exige que os atores contracenem diante de câmeras, com figurino e texto decorado. “É uma cena romântica, mas que tem a presença desse sonoplasta e tem um lado cômico em que ele tenta fazer, a todo tempo, todos os sons possíveis e impossíveis para ornar a cena”, diz Waldecir de Oliveira.

Para Bruno Barros, o grande desafio é transmitir ao público a emoção de reviver um pedaço da história cultural do país. “Isso é o embrião da novela, que é muito forte no país. E tudo começou com a radionovela e nesse estúdio.”

A cena gravada faz parte do capítulo 20 do primeiro ano de transmissão de Em Busca da Felicidade, já que seu sucesso fez com que a narrativa se estendesse entre 1941 e 1943. Os registros sonoros da versão original, gravados em acetatos à base de vidro, não resistiram ao tempo, mas parte do roteiro continua preservada no Acervo da EBC e recebeu o certificado do Programa Memória do Mundo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Leia mais:  Manifestações pelo voto auditável reúnem pessoas em várias capitais

Os equipamentos usados para a gravação também fazem parte da história da dramaturgia no Brasil. O Estúdio de Rádio-Teatro Victor Costa ficava no Edifício A Noite, onde a Rádio Nacional funcionou no período de grande sucesso de suas radionovelas. Gerente de Rádio da EBC, Thiago Regotto conta que a cena foi a primeira a ser gravada desde que o estúdio foi remontado no museu, que fica na sede da EBC no Rio de Janeiro. “A gente trouxe para cá e remontou exatamente como ele era. A equipe de cenografia da EBC trabalhou e restaurou todos os itens. A gente montou como museu, mas agora está servindo para gerar conteúdo”, conta Regotto.

A recriação comemora a importância da radionovela para a história cultural brasileira, já que as novelas conquistaram o gosto popular, pautaram questões sociais e tiveram papel de destaque tanto no rádio quanto na TV. “A gente quer mostrar e valorizar que a EBC tem a memória do Brasil. São 80 anos de um evento tão importante que começou aqui, dentro de uma empresa pública.”

*Colaborou Fabiana Sampaio, repórter do Radiojornalismo da EBC

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Geração de resíduos domiciliares e urbanos cresce na pandemia

Publicado


A geração de resíduos domiciliares e de limpeza urbana tiveram aumento médio de 10% no país em no ano passado, segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

Segundo a análise dos sistemas de coleta em diversos municípios, a quarentena contra a pandemia de covid-19, que fez com que mais pessoas trabalhassem em casa, concentrou a geração de resíduos fora das áreas comerciais e industriais.

“As medidas de isolamento social e a adesão ao home office, adotado por boa parte das empresas, influenciaram diretamente na geração de resíduos domiciliares, que antes eram gerados nos grandes centros e áreas corporativas, elevando a demanda pelos serviços de limpeza urbana nas cidades”, explica o diretor-presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho.

O Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, divulgado pela entidade no final do ano passado, mostra que, em 2019, a média per capita no país era de 379,1 quilos de resíduos sólidos gerados por ano. Em 2010, cada pessoa produzia em média 348,3 quilos de resíduos por ano.

Leia mais:  Morre ex-ministro da Cultura Francisco Weffort

Recicláveis

As mudanças de hábito durante a pandemia também mudaram o perfil dos resíduos urbanos, com um aumento médio de 25% na quantidade de materiais recicláveis coletados. De acordo com a Abrelpe, isso está ligado ao aumento das compras pela internet, que necessitam de mais embalagens para o envio dos produtos.

Segundo a associação, o crescimento do uso desses materiais não foi, entretanto, acompanhado de um aumento da reciclagem. “A reciclagem propriamente dita não cresceu na mesma proporção, já que boa parte do volume coletado foi encaminhada para unidades de disposição final devido ao fechamento ou à diminuição da atuação nas unidades de triagem em diversas cidades durante boa parte do ano passado”, destaca Silva Filho ao comentar como o trabalho das unidades de reciclagem também foi impactado pela pandemia.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

GERAL

Apostas da Lotofácil da Independência começam hoje

Publicado


Começam nesta segunda-feira (2) as apostas para a Lotofácil da Independência. O concurso número 2.320 será sorteado no dia 11 de setembro às 20h (horário de Brasília). A previsão inicial estimada do prêmio é de R$ 150 milhões.

De acordo com a Caixa, esta será a maior premiação da história da modalidade. O maior prêmio da Lotofácil da Independência, até então, foi pago no ano passado – R$ 124,9 milhões, divididos entre 50 apostas de 17 estados.

Como funciona

Assim como nos demais concursos especiais, o prêmio principal oferecido não acumula. Não havendo apostas premiadas com 15 números, o valor será dividido entre os acertadores de 14 números e assim sucessivamente.

Ainda segundo a Caixa, caso apenas um ganhador leve o prêmio e aplique todo o valor na poupança, ele receberá R$ 366,9 mil de rendimento no primeiro mês. Se preferir investir em imóveis, o banco destaca que seria possível adquirir 250 casas ou apartamentos no valor de R$ 600 mil cada.

Leia mais:  Manifestações pelo voto auditável reúnem pessoas e várias capitais

As apostas podem ser realizadas em volantes específicos da Lotofácil da Independência, disponíveis nas lotéricas de todo o país.

No portal Loterias Caixa é possível adquirir um combo especial do sorteio, com 12 apostas para o concurso, bem como outros combos contendo apostas de outras modalidades, além do concurso especial.

Também é possível apostar pelo aplicativo Loterias Caixa. A aposta custa R$ 2,50 e o apostador deve escolher entre 15 a 20 números dentre os 25 disponíveis no volante.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262