Connect with us

GERAL

Entre microscópios e telescópios, brasileira descobre 25 asteroides

Published

on


É entre microscópios e telescópios que a estudante de medicina Verena Paccola Menezes, de 22 anos, passa boa parte de seu tempo. Se, por um lado, o primeiro instrumento a ajuda nos caminhos que trilha para se tornar uma neurocirurgiã, é pelo telescópio que ela anteviu uma outra possibilidade: a medicina espacial, paixão que surgiu após, nos momentos de hobby, ter descoberto 25 asteroides. Um deles, classificado como raro pela órbita diferenciada que poderá colocá-lo na direção da Terra.

Nos momentos livres, Verena é uma “caçadora de asteroides”. Mas a verdade é que ela, desde criança, sempre se considerou uma cientista.

“A ciência sempre esteve presente na minha vida. Nem lembro quando comecei a me interessar. Brinco que já nasci cientista porque, para mim, fazer ciência e ser cientista é fazer perguntas, questionar o mundo e ir atrás das respostas por conta própria, sem se contentar com o superficial. Sempre vivi dessa forma. Sempre fui uma criança muito curiosa para descobrir o mundo”, disse a estudante de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), que é também técnica de Enfermagem.

Brinquedo na escola

Verena ganhou o primeiro microscópio quando tinha apenas 4 anos de idade. “Eu o levava como brinquedo para a escola, enquanto minhas amigas levavam bonecas e jogos”, lembra. O telescópio veio um pouco depois, aos 8 anos. “Tenho ele até hoje no meu quarto principalmente para olhar a Lua”, disse a estudante, que há dois anos cursa a faculdade da USP em Ribeirão Preto, onde faz pesquisas sobre Alzheimer.

“Microscópio e telescópio representam coisas diferentes na minha vida. O microscópio é mais voltado para minha profissão porque envolve o que quero trabalhar, que é a medicina e a área acadêmica. O telescópio é mais um hobby, devido à minha curiosidade – o que abrange também céu e espaço. Sempre tive curiosidade para saber o que existe para além do que a gente pode ver. Amo os dois instrumentos”, resume ela à Agência Brasil.

O curso técnico de enfermagem foi feito durante o ensino médio, na Unicamp entre 2015 e 2017. Foi ali que ela começou a viver o ambiente hospitalar de forma mais profissional para, em seguida, já formada e no Hospital Albert Einstein (SP), fazer pesquisas na área de neurociência computacional para crianças do espectro autista.

Em 2019, representou o Brasil na Assembleia da Juventude nas Nações Unidas (ONU) e se mudou para o Canadá, onde iniciou graduação em neurociência. “Só que sempre sonhei em fazer medicina na USP, o que acabou voltando aos meus planos após ter de retornar ao Brasil porque, em termos financeiros, estava inviável continuar no Canadá”.

Recomeço

O problema é que a jovem, que já era uma pesquisadora, teve de começar tudo de novo, para entrar na USP. “Fazia muito tempo que eu tinha feito o curso médio, e já não lembrava bem do conteúdo. Tive de reaprender tudo do zero. Não foi uma fase legal, depois de fazer tanta pesquisa, voltar a estudar as matérias do ensino médio. Vivi muita pressão”.

Leia mais:  Linha 8 de trens metropolitanos de São Paulo volta a apresentar falha

E foi exatamente a angústia de não praticar ciência que a fez avançar em uma outra paixão: a astronomia. “Eu precisava de algo científico para me estimular. Foi quando me deparei, em um grupo de Whatsapp, com essa oportunidade de aprender a caçar asteroide”.

Ela fez então todo um treinamento que a capacitou para o novo hobby. “Gostei muito disso. Depois de capacitada, comecei a usar o software que eles usam para caçar asteroides. Eu recebia imagens tiradas por um telescópio do Havaí. Cada pacote de imagens feitas pelo telescópio era composto de quatro imagens tiradas com diferença de segundos. Eu pegava esse pacote de imagens e o jogava no software que as piscava seguidamente, em ordem. Como elas tinham diferença de tempo, dava para perceber se alguma coisa se movia no Espaço”.

Quando Verena encontrava algum pontinho se movimentando, fazia a análise numérica do objeto para ver se ele se encaixava nos padrões de um asteroide. Caso o resultado fosse positivo, ela gerava um relatório e o enviava para o centro internacional que estuda isso em Harvard (EUA).

Foi dessa forma que ela descobriu nada menos que 25 novos asteroides. Diante do feito, foi convidada, em dezembro do ano passado, a receber uma medalha de ordem ao mérito, dada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, em Brasília, durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

Verena Paccola, 18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) - MCTI Verena Paccola, 18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) - MCTI

Verena Paccola recebe medalha de ordem ao mérito do MCTI- Neila Rocha (ASCOM/SEAPC/MCTI)

Asteroide raro

“Acabei recebendo mais que uma medalha. Quando achei que a premiação tinha acabado, me chamaram novamente ao palco para receber um troféu. Foi ali que me contaram que eu havia descoberto um asteroide importante e raro, que segue uma órbita diferente em torno do Sol”.

Normalmente os asteroides do Sistema Solar estão localizados entre Marte e Júpiter, onde fica o chamado Cinturão Principal. Um dos asteroides descobertos por Verena seguia uma órbita diferente da dos demais, o que aumenta as possibilidades de sua rota coincidir com a do planeta Terra.

“Agora a gente tem de ver para onde ele está indo, de forma a prever possíveis impactos com a Terra. Não sei se isso vai acontecer. A possibilidade existe, mas se a gente olhar para as dimensões do Universo, vemos que a probabilidade é muito pequena”, diz ela, esperançosa de que sua descoberta não seja algo apocalíptico semelhante à história contada no filme Não Olhe para o Cima, na qual uma pesquisadora descobre um cometa com rota em direção a Terra, que dará fim à vida no planeta.

“Fiquei chocada com esse filme. Ele é muito bom até do ponto de vista científico. É também o retrato da sociedade e da mulher na ciência. Claro que me identifiquei muito com a personagem por também ser uma mulher na ciência. E, na ciência, as mulheres, além de não serem ouvidas, vivem em um contexto no qual é o homem quem leva a maioria dos créditos. No filme, ela inclusive foi tachada de louca”.

Na avaliação da estudante caçadora de asteroides, o filme vai além, abordando a humanidade atual como um todo. “Fala muito sobre essa onda negacionista que vivemos no Brasil. Dá para relacionar a muitos assuntos, além de um cometa ou um asteroide. É também uma metáfora para a questão do aquecimento global, que os cientistas tanto falam que está acontecendo e que ninguém ouve. Mostra também o peso da economia em decisões”, argumenta.

Futuro

As oportunidades abertas pela astronomia à estudante de medicina estão fazendo-a repensar os planos para o futuro. “Tenho certeza de que realizarei o sonho de me formar em medicina. Estou no segundo ano do curso e tudo segue para que eu faça residência em neurocirurgia”, diz a caçadora de asteroides. “Só que agora eu tenho uma pulga atrás da orelha”, acrescentou.

Essa “pulga” foi colocada pelo presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Moura. “Depois da premiação em Brasília, visitei a agência. Lá, ele me falou sobre medicina espacial, que até então eu não conhecia porque não é uma área muito divulgada aqui no Brasil como especialização”.

O assunto despertou o interesse de Verena. “Comecei então a pesquisar e vi que tem médicos que estão no espaço agora, fazendo pesquisas em gravidade zero para ver como determinados tecidos se desenvolvem; como algumas células se multiplicam. É muito legal. E tem médicos desenvolvendo tecnologias para as pessoas irem ao espaço. É uma área muito grande que eu nem imaginava existir. Agora, é uma nova área para explorar e considerar para o meu futuro. Mas vamos ver”.

“Por enquanto, vou continuar caçando asteroides e, se tudo der certo, ser também treinadora de caçadores de asteroides para que outras pessoas façam o mesmo e formemos equipes. Planejo fazer isso pelo meu Instagram”, completou.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Frio se intensifica no Rio de Janeiro; temperatura se aproxima de zero

Published

on

Com o avanço da tempestade subtropical Yakecan para a Região Sudeste, o Sistema Alerta Rio informa que um sistema de baixa pressão atua no oceano influenciando o clima na cidade do Rio de Janeiro.

De acordo com o Centro de Operações Rio (COR), há previsão de rajadas de vento forte entre 52 quilômetros por hora (km/h) e 76 km/h, podendo ser muito forte, entre a tarde de hoje (19) e a madrugada de amanhã (20). A Marinha do Brasil emitiu um aviso de ressaca, alertando que ondas de 2,5 metros (m) a 4m podem atingir a orla da cidade até as 21h de amanhã.

As temperaturas continuam amenas, com previsão para hoje de mínima de 11 graus Celsius (°C) e máxima de 24°C. Amanhã a previsão de mínima sobe para 14ºC, com previsão de chuva fraca e isolada a qualquer momento.

No sábado (21), o transporte de umidade do oceano manterá o dia nublado e com chuva fraca e isolada durante a madrugada.

De acordo com a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura pode cair a 1ºC em Resende, no sudeste do Rio de Janeiro, município onde está localizada a comunidade de Visconde de Mauá, no alto da Serra da Mantiqueira, divisa com Minas Gerais.

Leia mais:  Na Praça dos Três Poderes, grafiteiros pintam painéis sobre liberdade

Inmet

O Inmet emitiu um alerta laranja para o perigo que pode ser causado por ventos costeiros até o fim da manhã de hoje entre as regiões metropolitanas de Curitiba e do Rio de Janeiro.

Já a onda de frio avança para o Norte do país, com previsão de temperaturas 5º abaixo da média até a noite de amanhã. Sofrem os efeitos da frente fria os estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, chegando ao sul do Tocantins e centro de Rondônia.

No Distrito Federal, a madrugada de hoje foi a mais fria da história, desde o início das medições em 1962, registrando o recorde de 1,4°C no Gama. Em Planaltina o frio chegou a 3,3°C, 4,3°C no Paranoá e 5,9°C no Sudoeste e Plano Piloto. O recorde anterior era de 1,6⁰C, registrado no dia 18 de julho de 1975.

Belo Horizonte também teve a manhã mais fria desde 1979, quando foi registrado 3,1°C no dia 1º de junho. Hoje a cidade registrou 4,4°C em Cercadinho e 6,7°C na Pampulha.

Em São Paulo, onde ontem uma pessoa em situação de rua morreu devido ao frio, foi registrada a menor temperatura máxima para maio desde 1961: 12,3°C.

Leia mais:  Goiás lança recadastramento digital para prova de vida

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue Reading

GERAL

DF tem a temperatura mais baixa já registrada: 1.4ºC

Published

on

O Distrito Federal teve a mais baixa temperatura já registrada, desde que o início das medições feitas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), em 1962. Hoje (19), às 6h da manhã, os termômetros registraram 1.4ºC no Gama, cidade-satélite localizada a cerca de 30 quilômetros do Plano Piloto.

Até então, a temperatura mais baixa havia sido registrada em julho de 1975, quando a capital federal registrou 1.6ºC, recorde que foi igualado nesta quinta-feira às 5h.

Após atingir 1.4ºC, a temperatura começou a subir e, às 7h, estava em 1.5ºC. Às 8h, a temperatura registrava 3.2ºC.

Segundo a meteorologista do Inmet, Andréa Ramos, a tendência é que a temperatura máxima em Brasília fique hoje similar à registrada ontem (18), entre 18ºC e 19ºC. Ela chama atenção para a baixa umidade do ar, que deve ficar por volta de 25%. “Não deixem de beber água”, sugere.

Alerta laranja

A baixa temperatura resultou no chamado “alerta laranja” para o DF, o que indica “perigo”, sugerindo que a população fique atenta para os efeitos que o clima pode causar para o corpo e ambiente. Esse tipo de alerta é geralmente utilizado nos casos de baixa umidade, chuvas intensas ou, no caso de hoje, em que a temperatura fica pelo menos 5 graus abaixo da esperada, com frio intenso.

Leia mais:  Capital paulista inicia hoje 6ª edição dos Jogos Municipais do Idoso

A baixa temperatura resultou também em geada no sul de Goiás entre o final da madrugada e o início da manhã desta quinta-feira, o que, segundo a meteorologista, é algo “incomum” para essa época do ano na região.

“Acredito que o pico dessa massa de ar fria foi hoje. Vai continuar frio, mas a tendência é a temperatura começar a subir. A frente fria já passou pela Região Sul, fez incursão no Centro-Oeste, enfraqueceu e está se dissipando no norte da região. O que estamos vendo é a massa de ar frio da retaguarda dessa frente fria. A situação deve ir melhorando para, a partir de sábado (21) a temperatura ir ficando normalizada”, explicou à Agência Brasil, Andréa Ramos.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262