conecte-se conosco


GERAL

Funarj distribui mais de R$ 500 mil para apoio ao setor cultural

Publicado


O governo do estado do Rio de Janeiro, por meio da Fundação Anita Mantuano de Artes (Funarj), abriu inscrições hoje (4) para três novos editais voltados para o setor cultural, que vão distribuir aos vencedores mais de R$ 500 mil. 

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da fundação, José Roberto Gifford, disse que, desde o ano passado, com o começo da pandemia, cresceu a preocupação do órgão com o setor cultural, que considera “muito sofrido”. Em 2020, a Funarj lançou a primeira edição do edital Ondas da Cultura que premiou trabalhos inéditos dos segmentos de artes cênicas, música e dança, apresentados no Teatro João Caetano, no Rio. Foi feito também um protocolo de segurança sanitária para os teatros, o que permitiu que os equipamentos ficassem seguros.

“Os nossos teatros foram adaptados, têm aquele filtro absoluto e estão muito seguros. Com esse protocolo, abrimos os nossos teatros com lotação de um terço do que seria o normal” disse. Acrescentou que o auxílio emergencial concedido pelo governo federal é muito importante. Salientou, no entanto, que “o trabalho é importante. As pessoas começarem a produzir e a atuar também é importante. Então, começamos a pensar nesses editais. Fizemos um edital de montagem teatral, um de curtas metragens e outro de música ao vivo para levar música ao vivo aos teatros”.

Leia mais:  Estudo confirma presença de dinossauros em Mato Grosso do Sul

Prêmios

Agora, a Funarj está lançando três editais. O Prêmio Funarj/Roquette Pinto de Esquetes 2021 é o primeiro do gênero, depois de quase 90 anos, disse Gifford. A premiação foi elaborada em conjunto com a Rádio Roquette Pinto e objetiva que as pessoas possam atuar e dar conteúdo para rádio, além de propiciar a descoberta de novos talentos. O edital vai selecionar 20 esquetes, com duração de três a cinco minutos. Cada um receberá prêmio de R$ 2 mil. Os esquetes vencedores serão veiculados na Rádio Roquette Pinto no segundo semestre deste ano.

A segunda edição do edital Ondas da Cultura vai premiar 80 pessoas com até R$ 200 mil. O edital envolve trabalhos artísticos inéditos que serão gravados em vídeo por profissionais dos segmentos de artes cênicas, música e dança. Os selecionados serão exibidos no canal da Funarj no YouTube.

Já o Prêmio Funarj de Clipes Musicais distribuirá R$ 25 mil para cada um dos 12 projetos vencedores de videoclips. Os selecionados terão seis meses para elaborar o clip e entregar à Funarj. A exibição dos premiados acontecerá em um festival de clipes musicais no Teatro João Caetano, previsto para o início de 2022.

Leia mais:  Bombeiros retomam buscas por desaparecidos da tragédia de Brumadinho

Trabalho

O presidente da Funarj destacou, ainda, que os editais são, na verdade, parte de um programa que pretende amenizar o sofrimento da área cultural.

“Para que as pessoas saibam, de alguma forma, que elas têm condições de trabalhar, que elas podem trabalhar e vão ter onde mostrar aquilo que fizeram e que têm condições de fazer. Essa é uma preocupação da Funarj, do governador do estado [Cláudio Castro] que é, inclusive, um homem da cultura. Essa é a mensagem: as pessoas precisam trabalhar, mesmo na pandemia”.

Os vencedores serão divulgados dentro de 45 dias, a partir de hoje, data de publicação dos editais. 

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões

Publicado


Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.371 da Mega-Sena, realizado nesta sexta-feira (12) à noite no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. Os números sorteados foram 04 – 15 – 30 – 36 – 39 – 48. O próximo concurso, no sábado (12), deve pagar R$ 33 milhões.

A quina teve 53 ganhadores e cada um receberá R$ 56.726,39. A quadra teve 3.480 acertadores e pagará o prêmio individual de R$ 1.234,19.

As apostas podem ser feitas até as 19h do dia do sorteio nas lotéricas de todo o país ou pela internet, no site da Caixa. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Leia mais:  Estudo confirma presença de dinossauros em Mato Grosso do Sul
Continue lendo

GERAL

ANP libera acesso virtual a dados de 23 bacias sedimentares terrestres

Publicado


A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) liberou hoje (12), através de uma plataforma online, o acesso gratuito a dados técnicos de 23 bacias sedimentares terrestres. A medida tem como objetivo atrair investimentos exploratórios privados. A expectativa é de que as empresas do setor consigam obter com mais facilidade as informações que lhes permitam ampliar seus estudos, mitigar riscos e gerar segurança, estimulando assim a tomada de decisões.

A plataforma é hospedada pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia. Ela reúne parte do conteúdo técnico armazenado no Banco de Dados de Exploração e Produção (BDEP): 22.641 poços, 329 levantamentos sísmicos pos-empilhamento 2D, 204 levantamentos sísmicos pos-empilhamento 3D, 207 levantamentos não-sísmicos e 38 levantamentos geoquímicos. Por enquanto, dados sísmicos pre-empilhamento não estão disponibilizados em função do seu volume.

O diretor-geral da ANP, Rodolfo Henrique de Saboia, avaliou que a medida representa uma mudança de paradigma. “Havia uma certa ideia de que esses dados precisavam ser protegidos e que o acesso precisava ser restrito e contido. Isso vem mudando ao longo do tempo. A regulação foi sendo atualizada”, disse ele durante participação no Circuito Brasil Óleo & Gás.

O evento virtual, que abriu espaço para a apresentação da plataforma, foi organizado pela Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) em parceria com a Associação Brasileira dos Produtores Independentes do Petróleo e Gás (ABPIP) e apoio da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Leia mais:  Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões

“Sabemos que a disponibilidade de dados técnicos é fundamental para as atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural. Em um cenário de acirramento da competição, a facilidade e o custo de acesso às informações são fatores que podem fazer diferença nas decisões das empresas”, acrescentou Saboia.

Gratuidade de acesso à informação

Todos os dados disponibilizados eram anteriormente vendidos aos interessados. Em março deste ano, foi aprovada pela ANP a gratuidade do acesso às informações, mas foi estabelecida a necessidade de requisição formal e entrega de um disco HD para cópia.

Esse procedimento começou a valer na semana passada e o primeiro pedido, feito pela ABPIP, já foi atendido. Outras 11 solicitações serão atendidas amanhã (13). Agora, com o acesso virtual ao conteúdo, as informações ficarão disponíveis a qualquer tempo e será possível acompanhar as eventuais atualizações. Mesmo assim, solicitar a gravação em HD continuará sendo uma opção.

“O Brasil se soma a países como o Reino Unido, que compreendem que o valor que o governo pode obter vendendo dados técnicos é irrisório comparado com os benefícios advindos da maior atividade exploratória. Ao estudar o assunto, nós percebemos que, nos últimos anos, o custo com a mão de obra para receber e processar os pedidos de acesso era maior do que a receita obtida. Estamos então economizando recursos públicos”, afirmou o diretor da ANP. Ele disse ainda que a medida poderá ser futuramente expandida para abarcar dados de bacias marítimas.

Leia mais:  Bombeiros retomam buscas por desaparecidos da tragédia de Brumadinho

Segundo Saboia, a abertura das informações beneficia também as instituições acadêmicas, que são tradicionalmente responsáveis por cerca de 20% dos pedidos de acesso ao conteúdo do BDEP. Embora elas já tivessem direito a uma cota de dados sem nenhum custo, eles passarão a ser obtidos de forma simplificada e mais ágil. Somente em 2020, mais de mil dados terrestres foram entregues às universidades para realização de estudos.

Revitalização

A criação da plataforma se dá em alinhamento ao Programa de Revitalização das Atividades de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (Reate), política de fomento Ministério de Minas e Energia criada em 2017 e que ganhou uma nova versão em 2019. Seu objetivo é estimular o setor para alavancar suas atividades onshore (em terra).

O MME estima que os investimentos possam saltar do atual patamar de R$ 1,6 bilhão anuais para uma média de R$ 4 bilhões anuais, o que representaria um crescimento de 150%. “O conhecimento das bacias terrestres ainda é insatisfatório, assim como os níveis de perfuração”, avaliou o diretor-presidente do CPRM, Esteves Pedro Colnago, que também participou do evento para lançar a plataforma. Segundo ele, o compartilhamento das informações de forma virtual e gratuita contribui para alterar esse panorama.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262