conecte-se conosco


Economia & Finanças

Guedes diz que reforma tributária não aumentará impostos

Publicado

Ministro voltou a defender tributação de dividendos

A proposta de reformulação do Imposto de Renda, em tramitação na Câmara dos Deputados, não vai aumentar a carga tributária, disse  o ministro da Economia, Paulo Guedes. O ministro admitiu a possibilidade de ajustes no texto, mas disse que o texto está “na direção correta” e reiterou a defesa da tributação de dividendos (parcela do lucro das empresas distribuída aos sócios e acionistas).

Por Wellton Máximo –  “[A reforma tributária] vai sair bem feita ou não vai sair. Não vai ter esse negócio de aumentar imposto”, declarou Guedes em videoconferência promovida pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O evento homenageou o economista e ex-presidente do Banco Central Carlos Langoni, que morreu de covid-19 em junho.


Durante o evento, o ministro voltou a defender a reintrodução do Imposto de Renda sobre dividendos. A proposta prevê alíquota de 20% sobre a distribuição desses recursos, com lucros de até R$ 20 mil mensais isentos. Sem entrar em detalhes, o ministro citou pressões contrárias para evitar a tributação dos mais ricos, possibilitada pela medida.

“A renda dos mais ricos, não interessa se vem de salário, de aluguel, de bônus bilionários ou se vem de dividendos. Ela deveria cair no progressivo e ponto final. Nós temos tecnologia para fazer tudo direito, mas você sabe que tudo é mais difícil no mundo real, tem lobby, tem pressão”, afirmou.

Segundo Guedes, o ideal seria que todos os tipos de renda, até os ganhos com dividendos, pagassem as mesmas alíquotas do Imposto de Renda Pessoa Física, que atualmente vão de 7,5% a 27,5%. O ministro, no entanto, disse que esse modelo poderá ser adotado no futuro, mas que não pode ser implementado neste momento.

Leia mais:  Inflação do aluguel acumula 33,83% em 12 meses

Petrobras

Além de homenagear o economista Carlos Langoni, Guedes elogiou o ex-presidente da Petrobras Roberto Castello Branco. Na avaliação do ministro, Castello Branco fez um “trabalho extraordinário” no comando da estatal, ao vender subsidiárias e comprometer-se com a liberalização dos preços dos combustíveis.

Em fevereiro, Castello Branco foi substituído pelo general Joaquim Luna e Silva na presidência da Petrobras. A destituição, no entanto, só foi aprovada pelos acionistas da estatal em abril.

Comentários Facebook

Economia & Finanças

Inflação do aluguel acumula 33,83% em 12 meses

Publicado

por

IGP-M é de 15,98% no ano

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel em todo o país, registrou inflação de 0,78% em julho deste ano, taxa superior ao 0,60% de junho. Com o resultado, o IGP-M acumula 15,98% no ano e 33,83% em 12 meses, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), que fez a pesquisa.

Por Vitor Abdala – A alta de junho para julho foi puxada pelos preços no atacado e no varejo. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, subiu de 0,42% em junho para 0,71% em julho. Já o Índice de Preços ao Consumidor, que apura o varejo, passou de 0,57% para 0,83% no período.

Por outro lado, a inflação do Índice Nacional de Custo da Construção caiu 2,30% em junho para 1,24% em julho.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Leia mais:  Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 6,56%
Continue lendo

Economia & Finanças

Bolsa cai com preocupações com variante delta e China

Publicado

por

Dólar fecha estável à espera de reunião do Fed

Em um dia de turbulências no mercado externo, as bolsas de valores do mundo inteiro caíram em meio às preocupações com a economia chinesa e com a disseminação da variante delta do novo coronavírus. O dólar fechou estável à espera da reunião desta semana do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano).

Por Wellton Máximo – O índice Ibovespa, da B3, encerrou o dia com queda de 1,1%, aos 124.612 pontos. O indicador passou a cair após os primeiros minutos de negociação. Na mínima do dia, por volta das 13h30, o índice chegou a cair 1,84%, mas reagiu um pouco na hora final de negociação. Em julho, o Ibovespa acumula queda de 1,73%.

Após duas quedas seguidas, o dólar comercial fechou estável, vendido a R$ 5,178, com leve a alta de 0,06%. A cotação teve um dia volátil, chegando a R$ 5,20 por volta das 10h e caindo para R$ 5,15 por volta das 12h. Durante a tarde, a moeda operou na estabilidade.

Leia mais:  Bolsa cai com preocupações com variante delta e China

Em todo o planeta, o mercado financeiro teve um dia de tensão. As reações após o anúncio de medidas intervencionistas do governo chinês em empresas de tecnologia e em escolas privadas influenciaram o mercado asiático. O receio de que a variante delta do novo coronavírus provoque uma nova onda de medidas de restrição social em economias avançadas piorou o clima.

O mercado de câmbio teve um dia de menos pessimismo, porém com mais oscilações na cotação do dólar. A moeda norte-americana chegou a cair durante a manhã em relação ao euro e às principais moedas de países emergentes, mas voltou a se valorizar à tarde, na expectativa do resultado da reunião do Fed amanhã (28).

A recente divulgação de dados econômicos fracos no mercado imobiliário dos Estados Unidos reduziu as expectativas de que o Fed antecipe o início da retirada dos estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19. Desde o ano passado, os juros básicos norte-americanos estão entre 0% e 0,25% ao ano, no menor nível da história.

*Com informações da Reuters

Leia mais:  Confiança da construção atinge maior nível desde março de 2014

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262