Connect with us

GERAL

No Rio, BraJazz Fest reúne músicos de diferentes regiões do país

Publicado em

O Rio de Janeiro recebe a segunda edição do BraJazz Fest entre os dias 7 e 10 deste mês, no Teatro XP, no Jockey Club, zona sul da cidade do Rio de Janeiro. O objetivo é apresentar gratuitamente ao público a potência e a alta qualidade do jazz nacional. A cada dia, diferentes facetas da música instrumental nacional vão se encontrar no palco.

Serão recebidos músicos do Rio Grande do Sul ao Pará, prestigiando diversas regiões do Brasil, em shows às 19h e às 21h. São 366 lugares no teatro. Serão distribuídas senhas 30 minutos antes de cada apresentação. A capacidade de público é limitada. De acordo com os organizadores, serão duas atrações musicais por dia, com transmissão ao vivo no canal do Youtube

O festival foi idealizado e é realizado por Renato Byington, da D+3 Produções, que assina eventos já consagrados, como o Vibra Open Air, que completa 20 anos em 2022 e acaba de encerrar uma temporada de sucesso em São Paulo. O curador do BraJazz Fest, Bernardo Pauleira, músico, produtor e gerente de Artistas e Repertório (A&R) na Warner Music Group, com mais de 20 anos de carreira, elegeu um tema por dia como fio condutor das apresentações, durante a programação que invadirá o Jockey Club Brasileiro, no Teatro XP.

Abrindo o leque

À Agência Brasil, Bernardo Pauleira disse que a intenção “foi abrir o leque, ampliar, dar mais possibilidades para diferentes tipos de jazz, formatos de grupos, formações diferentes. No primeiro dia, a intenção foi trabalhar com o micro e o macro em volta do piano”, 

As atrações da abertura do evento, no dia 7, são o PianOrquestra e a Orquestra Atlântica, que trazem propostas diferentes a partir de uma mesma matriz, que é o piano. Os cinco músicos da PianOrquestra exploram o instrumento de diversas formas, simultaneamente, possibilitando uma musicalidade incomum. Já a Orquestra Atlântica reúne 11 renomados instrumentistas em uma ‘big band’ de alto padrão artístico, com um naipe de metal completo em volta do piano, em um formato mais clássico e com repertório bem brasileiro.

O segundo dia do festival segue na esteira da brasilidade, com repertório do jazz ao choro. O multi-instrumentista Dirceu Leite, ao lado de seu quarteto, traz um repertório de choro mais tradicional, enquanto Maira Freitas, filha do compositor Martinho da Vila, apresenta o quinteto Jazz das Minas, grupo formado apenas por mulheres, “muito potente e poderoso”, segundo Bernardo Pauleira. O Jazz das Minas promete sacudir as estruturas do teatro, com uma roda de afro-samba-jazz de primeira qualidade.

Groove

No sábado (9), o evento é dedicado ao contrabaixo. O groove (padrão rítmico curto) do baixo vai comandar o palco com sotaques diferentes, envolvendo baixistas das regiões Sul e Norte.

Guto Wirtti, do Rio Grande do Sul, abre a noite, com uma formação de quarteto. Wirtti é um dos instrumentistas mais requisitados da música brasileira e já atuou com nomes como Yamandu Costa, Hamilton de Holanda e João Bosco. Em seguida, Ney Conceição, natural de Belém do Pará, leva ao palco os anos de experiência que acumulou ao tocar com nomes como João Nogueira, Moraes Moreira, Zé Keti, Paulinho Trumpete e tantos outros, sem deixar o groove sair do tom. “Eles abrem o leque de referências dentro do Brasil, saindo do eixo Rio de Janeiro/São Paulo, mas com as referências de suas raízes que cada um traz na bagagem”, comentou o curador.

O último dia do festival terá uma festa de encerramento, com um encontro de medalhões do jazz nacional. O gaitista Mauricio Einhorn vai abrilhantar o Jockey Club, no auge dos seus 90 anos, ao lado de Ricardo Silveira e Jefferson Lescowich, nomes consagrados da cena jazz nacional. Por fim, uma jam session impecável vai trazer o ritmo necessário para fechar a segunda edição do BraJazz com chave de ouro, reunindo apresentações de Claudio Dauelsberg, que comemora 35 anos de carreira, ao lado de Ney Conceição (baixo), Erivelton Silva (bateria) e convidados especiais, entre os quais Robertinho Silva, Nivaldo Ornelas, Edgar Duvivier, Torcuato Mariano, Jessé Sadoc, Bigorna e José Staneck.

“A ideia, realmente, foi não fechar em nenhuma panela e ampliar o máximo que podemos, regionalmente, em termos de cronologia, com artistas de todas as idades, de todas as regiões, e com foco em todos os instrumentos. Acho que a gente foi bastante feliz nessa seleção”, afirmou Bernardo Pauleira.

Renato Byington completou que a ideia nasceu a partir do desejo de apresentar as várias facetas da música brasileira. Para ele, o BraJazz “é um convite para o público se entregar ao reencontro com alguns dos melhores músicos brasileiros, curtir a música na sua excelência, em um ambiente leve e descontraído. Acho importante que, neste momento, a gente possa proporcionar espetáculos de alta qualidade cultural, em um clima leve e despretensioso.”

Palestras

Palestras sobre o cenário do jazz atual também farão parte da programação diária, a partir das 17h30, abrangendo vários temas. No primeiro dia, Claudio Dauelsberg abordará as diversas possibilidades do piano. No dia 8, o público poderá repensar o papel das mulheres instrumentistas com Maira Freitas e Mônica Avila. Em seguida, no dia 9, Dirceu Leite vai tratar da iniciação musical através de nossas raízes musicais, fazendo um passeio pela música nacional. Por fim, Robertinho Silva fecha o festival, falando sobre a diversidade rítmica brasileira.

As palestras estão alinhadas com os números musicais. Ou seja, o espectador é convidado a refletir mais profundamente sobre um assunto e aproveitar a riqueza da música instrumental brasileira. O BraJazz Fest nasceu como um festival intimista e, na segunda edição, pretende manter o clima contemplativo e sensível da estreia, em 2019, que ocorreu na Marina da Glória, no Aterro do Flamengo, zona sul da cidade.

Nos anos 2020 e 2021 não houve o festival, devido à pandemia de covid-19. “Agora, a gente está podendo voltar, juntar o público e artistas no formato presencial, ao vivo, no palco, com uma qualidade técnica de primeiro mundo. Vamos levar o clima de clube de jazz para o Jockey Club”, disse Bernardo Pauleira. 

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Quais os casos obrigatórios para o modelo de placa padrão Mercosul

Published

on

A abertura do processo para a troca de placa para o padrão Mercosul pode ser feita de forma online, pelo aplicativo MT Cidadão

Por Lidiana Cuiabano – Conforme a Resolução nº 969/2022 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), o novo modelo de Placa de Identificação Veicular (PIV) no padrão Mercosul é obrigatório para os seguintes casos:

– Primeiro emplacamento do veículo;

– Substituição de qualquer das placas em decorrência de mudança de categoria do veículo;

– Furto, extravio, roubo ou dano da referida placa;

– Mudança de município ou de Unidade Federativa;

– Necessidade de instalação da segunda placa traseira, perda ou dano no lacre.

O proprietário de veículo que desejar fazer a troca voluntária para o novo modelo de placa também poderá fazer o emplacamento.

A abertura do processo para a troca de placa para o padrão Mercosul pode ser feita pelo aplicativo MT Cidadão. Para iniciar o processo, basta realizar o download do aplicativo no smartphone, fazer o cadastro, acessar o menu “serviços”, clicar na aba “veículos”, em seguida “troca para Placa Mercosul”. A opção aparece somente para os veículos que ainda não fizeram a troca da placa para o padrão Mercosul, ou seja, que ainda estão com a placa cinza.

Após preencher os dados solicitados e pagar as taxas, o cidadão deve agendar, no próprio aplicativo, o horário e local para fazer a vistoria veicular. O serviço de vistoria é realizado de forma presencial.

Como obter a placa

No site do Detran-MT (www.detran.mt.gov.br) está disponível a lista com o nome, endereço, número para contato e e-mail das empresas que já estão credenciadas pelo órgão de trânsito a realizar o emplacamento no padrão Mercosul. CONFIRA AQUI

Placa Mercosul

O novo modelo de placa é oriundo de um acordo entre os países do Mercosul, assinado em dezembro de 2010. O padrão mantem os sete caracteres da placa atual brasileira, porém com quatro letras e três números, e não mais três letras e quatro números, que poderão ser “embaralhados”, e não mais dispostos de maneira fixa em uma sequência.

O fundo também sofreu a mudança de cor e passa a ser totalmente branco. Além disso, a bandeira do Brasil e a escrita substitui o município. Com isso, os veículos com a nova placa podem circular livremente nos países que integram o Mercosul, sem autorização prévia.

A nova placa não tem mais os símbolos que permitiam a identificação de local de registro do veículo. Também sofreu mudança na cor dos caracteres para diferenciar os tipos de veículos.

Os veículos de passeio com a cor preta, veículos comerciais (aluguel e aprendizagem) na cor vermelha, carros oficiais na cor azul, a verde para veículos em teste, para veículos diplomáticos cor dourado e para os veículos de colecionadores o fundo é preto com as letras em cor branca.

Todas as placas deverão conter o código de barras tipo (QR Code) com informações do banco de dados do fabricante da placa e o número de série. O objetivo é controlar a produção, logística, estampagem e instalações da PIV nos respectivos veículos, além da verificação da sua autenticidade.

Comentários Facebook
Continue Reading

GERAL

Nasa divulga novas imagens obtidas pelo telescópio James Webb

Published

on

A Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) apresenta nesta terça-feira (12) novas imagens obtidas pelo Telescópio Espacial James Webb. De acordo com o órgão, tais imagens revelarão “visões sem precedentes”, ricas em detalhes do Universo.

Ontem (11), a primeira imagem, do aglomerado de galáxias conhecido como SMACS 0723, localizado há 4,6 bilhões de anos luz, foi divulgada em evento na Casa Branca que contou com a participação do presidente norte-americano Joe Biden.

A divulgação das imagens está sendo transmitida ao vivo pela Nasa, bem como pelas redes sociais da agência. As imagens também serão disponibilizadas no site da agência.

Assista na íntegra:

Localizado a 1,5 milhão de quilômetros da Terra, no chamado ponto L2,, o James Webb Space Telescope (JWST) é fruto de uma parceria entre as agências espaciais norte-americana (Nasa) e europeia (ESA). Ele tem como principal característica a captação de radiação infravermelha.

Se tudo der certo, o equipamento permitirá aos pesquisadores observar a formação das primeiras galáxias e estrelas. Além de estudar a evolução das galáxias, eles poderão ainda observar a produção de elementos pelas estrelas e os processos de formação de estrelas e planetas.

Mistérios

A expectativa é que, além de resolver mistérios do nosso sistema solar, o telescópio olhe para mundos distantes em torno de outras estrelas e investigue misteriosas estruturas e origens do Universo, contribuindo para que o ser humano entenda melhor também o seu próprio planeta.

De acordo com a Nasa, a primeira leva de imagens, selecionadas por um comitê internacional, abrange duas nebulosas (Carina e a do Anel Sul), um planeta (Wasp-96 b) e dois aglomerados de galáxias (o Quinteto de Stephan e os aglomerados Smacs 0723).

Conheça os primeiros corpos celestes observados pelo James Webb, descritos pela própria Nasa:

– Nebulosa Carina: uma das maiores e mais brilhantes nebulosas do céu, localizada a aproximadamente 7,6 mil anos-luz de distância na constelação sul de Carina. As nebulosas são berçários estelares onde as estrelas se formam. A Nebulosa Carina é o lar de muitas estrelas massivas, várias vezes maiores que o Sol.

– WASP-96 b: planeta gigante fora do nosso sistema solar, composto principalmente de gás. Localizado a cerca de 1.150 anos-luz da Terra, orbita sua estrela a cada 3,4 dias. Tem cerca de metade da massa de Júpiter e sua descoberta foi anunciada em 2014.

– Nebulosa do Anel Sul: também conhecida como nebulosa “Eight-Burst”, é uma nebulosa planetária – uma nuvem de gás em expansão, envolvendo uma estrela moribunda. Tem quase meio ano-luz de diâmetro e está localizada a aproximadamente 2 mil anos-luz de distância da Terra.

– Quinteto de Stephan: localizado a cerca de 290 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação de Pégaso. Foi o primeiro grupo compacto de galáxias descoberto, em 1877. Quatro das cinco galáxias dentro do quinteto estão presas em uma dança cósmica de repetidos encontros imediatos.

– SMACS 0723: aglomerados maciços de galáxias, em primeiro plano, que ampliam e distorcem a luz dos objetos atrás deles, permitindo uma visão de campo profundo em populações de galáxias extremamente distantes e intrinsecamente fracas.

James Webb

A Nasa explica que, para realizar os estudos pretendidos, com “sensibilidade sem precedentes”, o observatório deverá ser mantido frio, livre das grandes fontes de interferência de infravermelho causadas por corpos celestes como o Sol, a Terra e a Lua.

Para bloquear as fontes de irradiação de infravermelho, o James Webb terá, consigo, um “grande escudo solar dobrável metalizado”, a ser aberto no espaço. Seu espelho tem cerca de 6,5 metros de diâmetro.

Para fazer a observação das áreas mais distantes, o telescópio terá ainda, em seus módulos, equipamentos sensíveis à radiação infravermelha: câmera, espectrógrafo e outros instrumentos para analisar o infravermelho emitido pelas fontes miradas por ele. Terá também um módulo responsável pelo transporte de dados coletados, além do telescópio ótico.

Homenagem

O nome escolhido para o novo telescópio espacial é uma homenagem a um antigo administrador da Nasa, James Edwin Webb. Ele liderou o programa Apollo, além de uma série de outras importantes missões espaciais.

Edição: Paula Laboissière

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana