conecte-se conosco


GERAL

Operadoras de turismo não atingem 25% da média de embarque neste ano

Publicado


Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre as viagens no primeiro semestre de 2021 fizeram com que 75% das operadoras de turismo brasileiras realizassem menos de um quarto dos embarques do período pré-pandemia. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) em seu boletim sobre o setor relativo ao mês de junho.

A pandemia de covid-19 teve seu período mais letal no Brasil no primeiro semestre deste ano, quando o número de vítimas da covid-19 saltou de 200 mil, em 7 de janeiro, para 518 mil, no fim de junho, cenário impulsionado pela disseminação da variante Gama no território nacional.

Os meses mais letais da pandemia foram março, abril e maio, e estados e municípios endureceram as medidas de restrição para tentar conter o avanço do vírus e reduzir o número de vítimas, informa o boletim divulgado ontem (20).

Apesar da crise sanitária e econômica, a associação avalia que o avanço da vacinação e as promoções anunciadas no período foram decisivos para a realização de vendas de viagens no período. A pesquisa mostra que, de janeiro a junho deste ano, 22% das operadoras tiveram faturamento maior ou igual ao período pré-pandemia.

Leia mais:  Apostas da Lotofácil da Independência começam hoje

Para o mês de junho, o estudo indica que 26% das operadoras não conseguiu realizar nenhum embarque, e apenas 25% atingiu ao menos a metade da média histórica de embarques para o mês.

A Braztoa informa que os destinos nacionais com maior procura são Porto de Galinhas, Gramado, Praia do Forte/ Salvador, Maceió, Porto Seguro e Rio de Janeiro.
Já no âmbito internacional, América Central e Caribe seguem no topo das vendas.

Segundo a associação de operadoras de turismo, roteiros de sol e praia, luxo e bem-estar estão entre os preferidos dos viajantes, que têm buscado “maior conexão com a natureza, comunidades locais e autoconhecimento”.

A expectativa de 30% das empresas do setor é que ao faturamento médio seja recuperado no primeiro semestre de 2022, enquanto 22% das operadoras estão mais otimistas e esperam voltar ao patamar pré-pandemia ainda no segundo semestre de 2021. Para 19%, a normalização do faturamento só deve ocorrer em 2023.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Apostas da Lotofácil da Independência começam hoje

Publicado


Começam nesta segunda-feira (2) as apostas para a Lotofácil da Independência. O concurso número 2.320 será sorteado no dia 11 de setembro às 20h (horário de Brasília). A previsão inicial estimada do prêmio é de R$ 150 milhões.

De acordo com a Caixa, esta será a maior premiação da história da modalidade. O maior prêmio da Lotofácil da Independência, até então, foi pago no ano passado – R$ 124,9 milhões, divididos entre 50 apostas de 17 estados.

Como funciona

Assim como nos demais concursos especiais, o prêmio principal oferecido não acumula. Não havendo apostas premiadas com 15 números, o valor será dividido entre os acertadores de 14 números e assim sucessivamente.

Ainda segundo a Caixa, caso apenas um ganhador leve o prêmio e aplique todo o valor na poupança, ele receberá R$ 366,9 mil de rendimento no primeiro mês. Se preferir investir em imóveis, o banco destaca que seria possível adquirir 250 casas ou apartamentos no valor de R$ 600 mil cada.

Leia mais:  São Paulo reinicia rodízio de veículos nesta segunda-feira

As apostas podem ser realizadas em volantes específicos da Lotofácil da Independência, disponíveis nas lotéricas de todo o país.

No portal Loterias Caixa é possível adquirir um combo especial do sorteio, com 12 apostas para o concurso, bem como outros combos contendo apostas de outras modalidades, além do concurso especial.

Também é possível apostar pelo aplicativo Loterias Caixa. A aposta custa R$ 2,50 e o apostador deve escolher entre 15 a 20 números dentre os 25 disponíveis no volante.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

GERAL

Morre ex-ministro da Cultura Francisco Weffort

Publicado


O ex-ministro da Cultura Francisco Correa Weffort morreu ontem (1), aos 84 anos, após um infarto do miocárdio, segundo informações confirmadas hoje (2) pela Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro. Cientista político e professor universitário, Weffort ocupou a pasta durante os dois mandatos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), de 1995 e 2002.

Antes de integrar o governo FHC, Weffort participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1980, e foi secretário-geral do partido na década de 1980. O cientista político também participou da mobilização para a realização de eleições diretas para presidente da República, em 1984.

O ex-ministro nasceu em Quatá, em São Paulo, em 17 de maio de 1937, e se formou em ciências sociais na Universidade de São Paulo (USP), onde começou a lecionar em 1961.

Weffort também foi professor visitante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), já nos anos 2000, e, ao longo de sua carreira, também atuou em universidades no exterior.

Leia mais:  Morre ex-ministro da Cultura Francisco Weffort

Fora do país, seu currículo inclui o Instituto Latino-Americano de Planificação Econômica e Social (Ilpes), no Chile; a Universidade de La Plata, na Argentina, e as universidades americanas de Woodrow Wilson Center e no Helen Kellogg Institute, da Universidade de Notre Dame.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262