conecte-se conosco


SEGURANÇA

Organização criminosa liderada por ex-presidiário de MT aplicava dinheiro de golpes no mercado imobiliário

Publicado


Uma organização criminosa liderada por um egresso do sistema prisional de Mato Grosso, que fez vítimas com diversos golpes aplicados por meio de anúncios clonados e um site de compra e venda, foi desmantelada em uma investigação da Polícia Civil, por meio do trabalho da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que culminou com o cumprimento de 28 ordens judiciais de prisões, buscas e sequestro de bens durante a Operação Resarcire.

A organização criminosa tinha como base os estados de Mato Grosso, São Paulo e Santa Catarina, onde foram presos os líderes e principais agentes do grupo, que escolhiam como alvo vítimas de estados como a Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rondônia.

A partir de informações extraídas de um celular apreendido com o líder do grupo, enquanto esteve preso por tráfico de drogas em uma unidade de Cuiabá, a GCCO iniciou a investigação sobre os golpes de estelionato aplicados pela quadrilha, que era composta por cinco pessoas em funções de liderança, inclusive, a esposa do líder compunha a organização.

Esse pequeno grupo ficava responsável por aplicar os golpes, criar os anúncios, cooptar novos correntistas para receber os valores das vítimas e depois aplicar no mercado imobiliário o dinheiro proveniente do crime.

Durante a investigação, os policiais chegaram a mensagens do líder da Orcrim, que comprovam a lavagem de dinheiro com os valores obtidos com os golpes praticados pela quadrilha. Ele procurava imóveis para adquirir em Santa Catarina. O líder da quadrilha estava em liberdade condicional, monitorado por tornozeleira eletrônica, e foi preso preventivamente nesta quinta-feira.

O segundo grupo, formado por sete pessoas, operava como correntista e recebia em suas contas bancárias os valores dos golpes aplicados, que eram transferidos pelas vítimas. Em contrapartida ficavam com 5% do valor sacado. “Esses investigados eram a base da estrutura da pirâmide da organização criminosa, dando sustentação para a Orcrim e exercendo papel fundamental e indispensável para o sucesso nas empreitadas criminosas, sem as quais as aplicações dos golpes não se concretizariam”, explicou o delegado Vitor Hugo.

Modus operandi

Para aplicar os golpes, que chegaram a causar um prejuízo estimado em R$ 400 mil a vítimas, em apenas três meses, a quadrilha primeiro escolhia um anúncio de venda de veículos e o estado onde estava publicado. Depois, um dos criminosos comprava um chip de telefonia celular do estado correspondente ao anúncio. A próxima etapa era instalar aplicativos de mensagens e do site que publicava os anúncios usando o DDD local.

Com um número do estado onde era publicado o anúncio escolhido pela quadrilha, os criminosos então faziam contato com o vendedor do veículo e manifestavam interesse em adquirir o bem, dando preferências a carros e motocicletas. “Depois dessa etapa, eles usavam as informações do anúncio, mas inseriam daí o telefone do golpista para contato e colocavam no veículo um preço bem abaixo do valor de mercado, tornando-o assim, mais atrativo e para uma venda mais rápida”, explica o delegado Gustavo Belão, responsável pela investigação.

A negociação era feita com a vítima que estava vendendo o bem e também com o interessado na compra. Após a conclusão do negócio, o dinheiro da vítima que comprou o bem era transferido a uma conta dos integrantes da organização criminosa.

Prisões e apreensões

Doze prisões preventivas e temporárias e 15 mandados de buscas e apreensões foram efetuados nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande (MT), em Catanduvas e São José do Rio Preto (SP) e Balneário Camboriú (SC). As ordens judiciais foram decretadas pela 7a Vara Criminal de Cuiabá.

Dezesseis aparelhos celulares, 12 chips ainda lacrados de celular, uma pistola calibre 380 foram apreendidos durante as buscas domiciliares.

Seis veículos, entre eles um motorhome equipado e uma motocileta de alta cilindrada, também foram alvos das apreensões. Uma casa em um condomínio fechado em Cuiabá, que pertence ao líder da organização criminosa, teve a indisponibilidade decretada pela Justiça.

“Além de cessar a continuidade delitiva da organização, o objetivo da operação foi apreender a maior quantidade de bens em posse dos investigados visando o ressarcimento do prejuízo causado às vítimas”, finalizou o delegado Vitor Hugo.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

SEGURANÇA

RJ: PM suspende processo que investiga Ronnie Lessa no caso Marielle

Publicado


A Polícia Militar (PM) suspendeu, temporariamente, o processo interno que investiga a possível participação do ex-PM Ronnie Lessa nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Segundo a assessoria da PM, não trata-se de arquivamento do caso.

“A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que os trâmites administrativos não foram arquivados. O sobrestamento é um ato administrativo para aguardar o processo criminal que está em andamento no Tribunal de Justiça”, informou a corporação.

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018, quando o carro em que estavam foi atingido por 13 disparos, feitos de um outro carro que os seguia desde a Lapa, onde a vereadora havia participado de um encontro político.

Os ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz foram presos, quase um ano depois, em 12 de março de 2019, como executores do assassinato e continuam presos à espera de julgamento. Ambos negam participação nos crimes.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

SEGURANÇA

Polícia Civil cumpre 28 ordens judiciais contra organização criminosa

Publicado


A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Poxoréu, deflagrou, nesta quinta-feira (07.10), a “Operação Lapidação” para cumprimento de 28 ordens judiciais contra uma organização criminosa atuante em todo Estado de Mato Grosso, envolvida em crimes de tráfico de drogas, homicídios e tortura.

Na operação foi dado cumprimento a 23 mandados de prisão, cinco de busca e apreensão, além de dois bloqueios de contas bancárias e quatro prisões em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas. As ordens judiciais foram cumpridas nas cidades de Poxoréu, Rondonópolis, Guiratinga, Pedra Preta, Cuiabá e Comodoro.

Os mandados judiciais foram expedidos pela 7° Vara Criminal de Cuiabá, especializada contra o crime organizado. A operação contou com a participação de aproximadamente 47 policiais civis da Regional de Primavera do Leste, Delegacia de Guiratinga e apoio da Polícia Militar de Pedra Preta.

Investigações

As investigações que desencadearam na operação iniciaram em 2019, sendo possível identificar integrantes da organização criminosa e o envolvimento do grupo na prática de diversos crimes.

Dentre os crimes elucidados na Operação Lapidação está o homicídio que vitimou Danilo de Moura Barbosa, ocorrido no dia 11 de março de 2019 na cidade Poxóreu, ocasião em que a vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo em frente a sua residência.

Em relação às contas bancárias bloqueadas, após análise do Laboratório de Tecnologia Contra a Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil, foi possível identificar a movimentação financeira realizada pelo grupo entre os anos de 2017 e 2019, que totalizam mais de R$ 4 milhões.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262