conecte-se conosco


GERAL

Pesquisa usa Google para entender impacto climático sobre as formigas

Publicado


Observar o comportamento das pessoas pode ser um caminho para aprender tanto sobre o ser humano como também sobre os animais. Essa estratégia está por trás de um estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA). 

Biólogos e engenheiros ambientais investigaram dados das buscas que milhões de indivíduos de 20 países fizeram na internet usando o termo “formigas”. Foram coletadas informações referentes a um período de 13 anos, de janeiro de 2007 a dezembro de 2019. Ao identificarem os períodos de maior volume nas buscas, os pesquisadores perceberam uma influência das alterações climáticas sazonais.

“Temperatura e precipitação são duas variáveis que estão relacionadas com a atividades das formigas. Então, nos meses mais quentes, elas se mostram mais presentes em locais indesejados e o ser humano fica mais incomodado. As pessoas começam a buscar métodos para erradicá-las”, diz Antônio Queiroz, biólogo do Laboratório de Ecologia de Formigas da UFLA que liderou a equipe de seis pesquisadores envolvida no trabalho.

Um artigo com os resultados do estudo foi publicado na última semana no Mymecological News – jornal científico administrado pela Sociedade Austríaca de Entomofaunística (ÖGEF, na sigla em alemão). O periódico é uma referência mundial em mirmecologia, a ciência que se ocupa do estudo específico das formigas.

Conforme o artigo, no hemisfério norte, onde as mudanças climáticas sazonais são mais intensas, há maior variação nas buscas ao longo do ano com picos nos meses de clima quente. 

Em países com diferenças mais sutis entre as estações, o volume de pesquisas na internet sobre formigas tende a se manter mais constante.

Segundo Queiroz, a pesquisa está em sintonia com outros estudos que já apontaram para uma maior atividade desses insetos nos dias quentes, o que permite levantar a hipótese do declínio populacional decorrente do aquecimento global. Ele pondera, no entanto, que a diminuição do número de formigas é uma questão ainda em estudo. “O impacto do aquecimento global sobre espécies [de formigas] ainda não é um consenso como já é para as abelhas”, explica.

Leia mais:  Tribunal absolve governador de Santa Catarina que reassumirá o cargo

No final do mês passado, o Journal of Biogeography, um periódico produzido pela editora norte-americana Wiley-Blackwell, já havia publicado os resultados de outro estudo (link: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/jbi.14089) do Laboratório de Ecologia de Formigas da UFLA que trata sobre o assunto. Liderada pelo biólogo Chaim Jose Lasmar, essa pesquisa investigou como as formigas procuram alimentos nos diferentes biomas do Brasil. O clima se mostrou como um elemento crucial nesse processo. O estudo sugere que o aquecimento global resultará em mudanças na vida das formigas e, consequentemente, terá repercussões nos ecossistemas onde elas existem.

Aspectos variados

A ferramenta usada para coletar dados das pesquisas na internet foi o Google Trends. O maior volume de buscas visa encontrar formas de erradicar os insetos. Segundo Queiroz, no Brasil, apenas 13% das buscas foram motivadas por curiosidade sobre as formigas. No entanto, o artigo destaca a influência de variados aspectos naturais, sociais, tecnológicos, culturais e linguísticos. 

Há, por exemplo, maior constância do interesse dos internautas sobre o inseto em países onde há mais gêneros e espécies e onde maiores parcelas da população têm acesso à internet.

Na Colômbia, onde a formiga é usada por populações humanas como fonte de alimento, há pesquisas por receitas. Além disso, em países com idiomas derivados do latim, nota-se um volume perceptível de buscas sobre o significado das formigas nos sonhos.

“A curiosidade gera mais pesquisas em determinados locais. O interesse na biologia dos organismos está em alguma medida ligada à cultura do país”, explica Queiroz.

Leia mais:  Governo lança programa de cobertura FM em rodovias federais

O estudo também apontou que, apesar dos padrões nas variações sazonais se manterem, o número total de buscas sobre o inseto vem subindo ao longo dos anos em praticamente todos os países. Os pesquisadores acreditam que esse aumento decorre da crescente inclusão digital.

Divulgação científica

O artigo sugere ainda que os dados sobre o comportamento humano na internet podem ser usados em favor da divulgação de conhecimento científico. “Se sabemos quando as pessoas estão pesquisando sobre formigas com o intuito de erradicá-las, podemos aproveitar esse momento de interesse para divulgar os achados científicos e elucidar sobre a importância desses animais”, diz Queiroz.

O papel das formigas nos ecossistemas, embora seja bastante estudado pelos mirmecólogos, ainda é pouco conhecido pela população em geral. Esses insetos desempenham, por exemplo, funções relevantes na dispersão de sementes, na reciclagem de nutrientes, na recuperação dos solos e no controle de pragas rurais e urbanas.

Queiroz acredita que os meses mais quentes podem ser o momento certo para criar estratégias de disseminação de informações e também de dicas para prevenir uma invasão doméstica.

Como as formigas estão sempre em busca de recursos para suas colônias, o melhor caminho para evitar o incômodo com elas dentro de casa, de acordo com o biólogo, é bastante simples: não deixar comidas expostas.

“Os primeiros meses quentes do ano são os ideais para fazermos mais atividades de ciência. Há locais onde as formigas chegam a ser um problema de saúde, o que torna importante disseminar o conhecimento sobre formas de controle. Mas esse não deve ser o único foco. Precisamos mencionar os aspectos positivos, para desmistificar a aversão de muitas pessoas com insetos e formigas”, acrescenta.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Agência Brasil, 31 anos: audiência recorde e vitórias imensuráveis

Publicado


Um alerta de novidade dispara na redação do jornal O Mamoré, na cidade de Guajará-Mirim (RO), cada vez que é publicado um material jornalístico da Agência Brasil, veículo da Empresa Brasil de Comunicação. Brasília, sede principal da agência, fica a cerca de 2,8 mil km por estrada da cidade rondoniense. Graças à Agência Brasil, que é pública e, por isso, fornece conteúdos jornalísticos gratuitos para todos os veículos de comunicação, o que parecia tão distante passa a ficar pertinho. 

Tornar o público mais próximo e colaborar com a integração do país por intermédio do jornalismo são práticas diárias da Agência Brasil, que completa, nesta segunda-feira (10 de maio), 31 anos de história. O veículo vive um momento especial. Alcançou a marca de 94,8 milhões de usuários no ano passado e mantém o ritmo de acesso. Neste ano, já está perto de 31 milhões de usuários. 

Outro dado mensurável é que, somente em 2021, os materiais da agência tiveram cerca de 40 milhões de repostagens por veículos e usuários, das maiores às menores cidades. Do centro às fronteiras do país, o que significa ocupação estratégica com informações para populações inteiras que não seriam atendidas por grandes mídias comerciais. Essa garantia de inclusão e de cidadania é considerada de valor imensurável por quem estuda a comunicação pública.

Leia reportagem produzida no aniversário de 30 anos da ABr

Entenda mais sobre comunicação pública e o papel da EBC

Para a jornalista e pesquisadora em comunicação Claudia Lemos, que é presidente da Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública), como outros direitos, a garantia da informação é fundamental para a cidadania, para ter acesso aos serviços prestados pelo Estado e para efetiva participação nas discussões.  “Por isso, a Agência Brasil tem o papel importante de oferecer informação jornalística que pode ser consultada diretamente pelo cidadão ou utilizada gratuitamente por veículos de comunicação no país inteiro, que de outro modo talvez não tivessem acesso a ela”, afirma.

Pesquisadora Claudia Lemos explica que Agência Brasil ajuda a combater notícias falsas

No caso do jornal O Mamoré, a diretora Minerva Soto explica que a utilização das reportagens da Agência Brasil não leva apenas em conta o volume de conteúdos diários fornecidos. “Temos extrema confiança em tudo o que é produzido pela Agência Brasil. Cada vez que verificamos que há uma publicação nova, sabemos que é de alta qualidade. Pelo o que percebemos a Agência Brasil investe em um jornalismo de soluções e não apenas apresentação de problemas”, afirma.

Leia mais:  Governadores pedem a Anvisa nova análise da Sputnik V

Fazem parte do público de O Mamoré comunidades que vivem em regiões ribeirinhas daquela cidade que, principalmente após o início da pandemia, passaram a buscar mais informações, segundo informa a diretora do veículo. “A gente se entende como um elo entre as notícias nacionais feitas pela Agência Brasil e os públicos locais que precisam das informações do país inteiro”. Os locais interessados pelo que se passa no país incluem até os estrangeiros. Na fronteira, está a cidade “irmã” boliviana de Guayaramerín. Para Minerva Soto, informação significa autonomia e também segurança. 

As notícias que chegam da Agência Brasil ajudam a compor para os moradores das fronteiras, inclusive, uma visão mais ampla que complementa as notícias apenas locais. Ainda na Região Norte, o site Notícias da Fronteira, em Brasileia (AC), utiliza diariamente as notícias da Agência Brasil. A transmissão das informações, segundo o responsável pelo site,  o jornalista Almir Andrade, significa proteção das identidades nacional e local. Ele mantém, além de reportagens em texto, também programa de TV e rádio na web. Andrade considera que os conteúdos da Agência Brasil são fundamentais para a viabilização de tudo o que ele produz. “Informações, texto, foto…para mim, tudo é muito importante para levar aqui ao nosso público”. Brasileia faz fronteira com a cidade boliviana de Cobija. 

No Amazonas, o jornalista Nailson Tenazor, no site Jambo Verde, em Atalaia (AM), considera que a Agência Brasil e a Radioagência Nacional são parceiros no olhar para a região no Alto Solimões. A EBC tem estrutura e profissionais em Tabatinga, município vizinho de Atalaia, e também de Letícia (Colômbia). Tenazor diz que as informações em qualidade na região são fundamentais e significam inclusão para as regiões em que ele cobre. Um lugar em que o tempo de trajeto não é contado por minutos na estrada, mas por horas ou dias de barco.

Proteção contra falsas notícias

No Amapá, o Jornal do Dia, que é o primeiro veículo diário do Estado (de 1987), utiliza diariamente os materiais da Agência Brasil. “A agência é um veículo que contribui para transmitir notícias ao público amapaense de forma fidedigna, em um cenário atual em que as notícias falsas estão cada vez maiores”, diz o editor Luciano Pereira.

É da redação do jornal É da redação do jornal

Redação do jornal Diário Corumbaense: uso diário de reportagens da Agência Brasil. Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense/Divulgação
Leia mais:  Frente fria deixa o Rio no sábado, mas ainda pode chover hoje à noite

A proteção via informação de qualidade é um foco de atenção destacado pela diretora do Diário Corumbaense, Rosana Nunes. “A Agência Brasil presta um serviço muito importante e gratuito com fontes confiáveis para a nossa região. Trabalhamos para conter a desinformação. Aqui em Corumbá temos o único hospital público da região e que acaba recebendo também estrangeiros e que também precisam receber informações do que ocorre no Brasil”. A cidade de Corumbá (MS) tem fronteira seca com a cidade de Porto Quijarro, na Bolívia. 

No Sul do Brasil, o jornal A Plateia, da cidade de Santana do Livramento (RS), tem 84 anos de fundação, e também utiliza conteúdos da Agência Brasil diariamente. Além das notícias nacionais na íntegra republicadas, o veículo traz as pautas da agência como conteúdo complementar ao que é feito em âmbito local. “Notícias dos três poderes que trazemos da Agência Brasil ajudam a compor o conteúdo e repercutir em nosso contexto”, afirma o editor-chefe do veículo, Rodrigo Evaldt.

Satisfação na Agência

O jornalista Kleber Sampaio, de 70 anos de idade, e que atua no cenário de comunicação pública desde 1974 (na Agência Nacional), é satisfeito pelas repercussões das reportagens da Agência Brasil. “Chegamos com nossas matérias no país inteiro”, afirma.  Ele trabalhou na EBN, estava na antiga agência de notícias, e que ganhou o nome de Radiobras e da transformação da estatal em EBC.

Ele testemunhou, ao longo de sua carreira, reconhecimento por parte de colegas jornalistas e também do público pelo serviço prestado pela agência. Nessa jornada, histórias memoráveis. ”A cobertura que eu jamais esquecerei foi do sepultamento do ex-presidente Juscelino Kubitschek. O Brasil e Brasília pararam. Lembro bem que tinham umas 500 mil pessoas acompanhando o cortejo”, recorda. Kleber Sampaio, hoje, atua como editor da Agência Brasil. 

Contemporâneo de Sampaio, o jornalista Luiz Fernando Fraga atua há 40 anos pela comunicação pública e também desempenhou diferentes atividades. “Essa empresa faz parte da minha vida”, diz o profissional.  Fazem parte da vida deles a pressa e a precisão, da pauta à edição final. Não há tempo a perder. Eles precisam publicar. Alguém do outro lado está à espera de um alerta: lá vem uma nova notícia da Agência Brasil.

Edição: Para Alessandra Esteves

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

GERAL

Número de mortos na favela do Jacarezinho sobe para 28 

Publicado


A Polícia Civil confirmou que subiu para 28 o número de mortos na operação de ontem (6) na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio. O número foi ampliado, depois que três vítimas que deram entrada em hospitais públicos foram levadas hoje (7) para o Instituto Médico Legal (IML).  

Antes o número de mortos era de 25, entre eles o policial civil André Leonardo Frias, 48 anos, da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), morto com um tiro na cabeça quando desceu do carro blindado, junto com outros cinco policiais, porque o carro ficou impedido de seguir pela favela por causa de uma barricada colocada pelo tráfico no caminho. 

O disparo que matou o policial partiu de uma espécie de bunker, com furos no muro para passar o cano de armas de guerra, e aconteceu no momento em que a equipe chegava na comunidade, por volta das 6h.

OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Estado do Rio de Janeiro (OAB-RJ), manifestou uma grande preocupação com o resultado da operação policial no Jacarezinho. Segundo a entidade, o número de vítimas coloca essa ação policial entre as mais letais da história do estado.

Leia mais:  Número de mortos na favela do Jacarezinho sobe para 28 

A OAB-RJ, disse em nota que operações de enfrentamento ao crime organizado são necessárias, mas devem ser feitas com inteligência e planejamento. “Salientamos que o norte permanente da atuação das forças de segurança deve ser a preservação de vidas, inclusive a dos próprios policiais”, diz a entidade.

A nota diz ainda que, independente das circunstâncias, as forças de segurança devem cumprir suas funções respeitando os direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição Federal. “Nunca será aceitável que um braço do Estado opere acima das leis”. A Comissão de Direitos Humanos e Assistência Judiciária da OAB-RJ está acompanhando o caso.

MPRJ

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) está investigando as circunstâncias das mortes na ação policial no Jacarezinho para apurar se houve violações a direitos durante a operação.

“Todas as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis em decorrência dos fatos ocorridos estão sendo tomadas pelo MPRJ, que na data de ontem esteve presente na comunidade, acompanhando os desdobramentos da operação. Cabe destacar ainda que o MPRJ acompanha a perícia nos corpos das pessoas mortas durante a intervenção policial”, informou a nota.

Leia mais:  Tribunal absolve governador de Santa Catarina que reassumirá o cargo

Os promotores estão recolhendo relatos e outros elementos para subsidiar as investigações. “Dentre esses elementos, foram recebidas comunicações de cidadãos, instituições, associações e coletivos, trazendo relatos, imagens e vídeos da operação, que foram imediatamente levados ao conhecimento da 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada da Capital, responsável pelo procedimento investigatório”.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262