Connect with us

Saúde

Secretaria de Estado de Saúde promove semana de doação de leite materno

Published

on

Durante a “Semana Mato Grosso de Doação de Leite Humano”, entre esta segunda e sexta-feira (16 e 20.05) em Cuiabá, gestantes e lactantes recebem e compartilham informações sobre doação de leite materno, responsável, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por manter vidas de 13% das crianças com idade abaixo de cinco anos.

Promovido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) em alusão ao Dia Mundial de Doação de Leite Humano, comemorado em 19 de maio, o evento tem a finalidade de fortalecer a sororidade entre as mulheres, mobilizar futuras mães, profissionais da saúde, acadêmicos e rede hospitalar sobre o tema.

Durante cinco dias, a SES e os Bancos de Leite Humano de Cuiabá promoverão mesas redondas, visitas técnicas, rodas de conversas e exposição de fotos, entre outras atividades.

Mãe de dois meninos, Valleria Almeida, de 31 anos, compartilhou sua experiência como doadora de leite materno. Mesmo doando leite durante nove meses, retirando cinco vidros, de 300 ml, por semana, conta que seu segundo filho mamou até os dois anos e dois meses de idade.

“Em minha primeira gestação, ainda não tinha esta informação, mas, graças ao incentivo do meu esposo, quando meu segundo filho nasceu fomos até o banco de leite humano. Desde que lá cheguei, soube que queria doar. Recomendo às mamães que, se puderem, doem e repassem esta informação, pois muitas não sabem. Procurem o banco de leite, vejam vídeos, peçam ajuda e informação, porque é muito importante”, incentiva.

O responsável pela equipe de Promoção da Amamentação e Alimentação Complementar Saudável da SES-MT e coordenador técnico do evento, Rodrigo Carvalho, ressalta não ser necessário ter leite em demasia para ser uma doadora, por não existir quantidade mínima para a doação. Qualquer quantidade pode somar para alimentar e salvar um bebê.

“É importante lembrar, que um frasco de leite materno doado pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia. Além disso, muitas não sabem não ser preciso encher o pote de uma única vez – pode ser em até 10 dias, prazo limite para o alimento ser entregue no banco de leite humano para ser pasteurizado. Este processo precisa ocorrer em até 15 dias”, explica Rodrigo.

Leia mais:  Stopa aponta investimento constante na Atenção Básica como fundamental para avanços na saúde

A coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno do Distrito Federal e representante do Centro-Oeste na Comissão Nacional de Banco de Leite Humano da Fiocruz e do Ministério da Saúde, pediatra Miriam Oliveira, reforça a necessidade de desmitificar ser necessário a mãe encher o pote de uma única vez. Para ela, a principal missão dos profissionais da saúde é apoiar as mulheres amamentadoras.

“Muitas vezes, por trás de uma mulher, que diz não ter amamentado ou que não conseguiu amamentar, existe falta de apoio dos profissionais da saúde. Muitas não sabem ser possível ajudar e jogam o leite fora. Ambas precisam ser valorizadas. Tanto as que possuem grande volume quanto a que se auto aperta para, além de amamentar o próprio filho, conseguir retirar um pote por semana para poder alimentar outros bebês”, diz Miriam.

Segundo ela, a mudança da atual realidade da amamentação e da alimentação complementar saudável, e, consequentemente, da doação de leite humano, só será possível por meio da educação. “Este é futuro do nosso país, que precisa ser mudado para se ter adultos mais saudáveis e menos doenças crônicas, oque é possível com a amamentação”, finaliza Miriam.

Um exemplo de que não há quantidade mínima para doar é o caso da nutricionista Gabriela Dalcin, docente do curso de Nutrição da UFMT, que optou pela doação de leite materno. Aos 4 meses de idade, seu filho passou a dormir quase a noite toda e, quando acordava, mamava em apenas um peito. Ela teve ingurgitamento (acúmulo de leite), causando dor e aumento do volume das mamas.

“Mesmo sendo da área de saúde, procurei ajuda. Resolvi meu problema e fui chamada para ser uma doadora. Eu não tinha quantidade excessiva de leite, mas fui retirando um pouquinho e juntava um vidro a cada 10 dias. Assim, resolvi meu problema de ingurgitamento, além de contribuir para amamentar com muitas crianças atendidas pelo Banco de Leite Humano”, comemora.

Leia mais:  Ações dos núcleos de Avaliação de Tecnologia em Saúde de MT são destaques nacionais

A transmissão da abertura foi  pelo Canal do Tele Educa MT, no YouTube.

Bancos de Leite

A SES-MT trabalha em parceria com a Rede, coordenada em Mato Grosso pelo Banco de Leite Humano Dr. José de Faria Vinagre, no Hospital Geral de Cuiabá, que atua como Centro de Referência Estadual.

Na capital, a doação também pode ser feita no Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Júlio Muller, nos postos de coleta do Hospital e Maternidade Clínica Femina e do Projeto Via Láctea Caminho Luz e Vida.

No interior, pode ser feita no Banco de Leite Humano da Santa Casa Rondonópolis.

Legislação

De acordo com a legislação, toda unidade de saúde com serviço de atenção à gestação de alto risco e unidade de terapia intensiva neonatal deve possuir, minimamente, um banco ou posto de coleta de leite humano, para garantir a oferta sua oferta quando a mãe do bebê prematuro ser incapaz de amamentá-lo. Estas unidades devem ser credenciadas pela Rede Global de Bancos de Leite Humano e fiscalizadas pela Vigilância Sanitária local.

Rede de Bancos de Leite Humano

A Rede de Bancos de Leite Humano (rBLH-BR) é uma ação estratégica de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Engloba as ações de coleta, processamento e distribuição de leite humano para bebês prematuros ou de baixo peso, que não podem ser alimentados pelas próprias mães, além de atendimento para apoio e orientação para o aleitamento materno.

O Brasil tem a maior e mais complexa rede de bancos de leite humano do mundo, sendo referência internacional por utilizar estratégias que aliam baixo custo e alta qualidade e tecnologia.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Saúde

Hospitais Municipais adquirem equipamentos para mobilidade precoce de pacientes nas UTIs

Published

on

Hospitais municipais de Cuiabá, HMC e São Benedito, adquiriram nas Unidades de Terapia Intensiva – UTI’s, os elevadores de transferência, denominado “Maxi Move”. O equipamento é fundamental para a reabilitação de pacientes acamados e auxilia na redução da perda de função ou incapacidade dos pacientes, por meio da mobilidade precoce. É o que explica a coordenadora do setor de fisioterapia, Talita Souza.

“Hoje as duas unidades contam com o equipamento mais completo do gênero. Com ele, conseguimos obter uma solução mais segura e eficiente para as tarefas terapêuticas e básicas dos pacientes, como elevação, posicionamento e locomoção. O sistema oferece dois atributos exclusivos: o Sistema Vertical Estável – SVS e o Sistema de Posicionamento Dinâmico – SPD, que é acionado eletronicamente”, destacou a coordenadora.

Segundo ela, o elevador de transferência representa um grande avanço para a equipe da fisioterapia. “O dispositivo possibilita a transferência dos pacientes que estão em ventilação mecânica, deitados no leito, para o aparelho de elevação móvel, onde ficam sentados. Isso transmite ao paciente a sensação de melhora e interatividade com a equipe, que consegue unir um atendimento clinico individualizado com humanização”, completou.

Leia mais:  SES realiza capacitação para profissionais da saúde sobre a Poliomielite

O responsável técnico do setor de fisioterapia, Leonardo Figueiredo, pontuou outros benefícios com o uso do equipamento. “Essa locomoção do paciente altera a hemodinâmica, a atividade pulmonar e a freqüência cardíaca, acarretando em uma melhora significativa dessas funções. O elevador de transferência traz estabilidade e segurança no manuseio com o paciente, sem esse equipamento não é aconselhável realizar a mobilidade de pacientes acamados”, destacou.    

Sobre o uso do elevador de transferência, o responsável técnico do setor de fisioterapia explicou que a retirada do paciente do leito acontece diariamente, após avaliação clínica. “Todos os pacientes que estiverem hábeis, é realizada a conduta de retirar do leito para atendimento de fisioterapia motora, essa mobilidade diária também evita escaras”, enfatizou.                                                   

Segundo o diretor-geral Paulo Rós, da Empresa Cuiabana de Saúde Pública, que administra o HMC e o Hospital Municipal São Benedito, não é em toda rede do Sistema Único de Saúde – SUS que oferta o elevador de transferência. “Esse trabalho diferenciado para a mobilização segura do paciente não acontece na maioria dos hospitais públicos por falta do equipamento. Esse investimento foi uma determinação da gestão humanizada do prefeito Emanuel Pinheiro, que preconiza a reabilitação do paciente para que tenha uma recuperação mais rápida e eficaz”, enfocou.

Leia mais:  Anvisa determina recolhimento de remédios à base de losartana

Para o prefeito Emanuel Pinheiro, a retirada do paciente acamado do leito, mesmo em situação de ventilação mecânica, para induzi-lo a fazer movimento diário, é um trabalho humanizado que é possível graças à aquisição do elevador mecânico.  “Não meço esforços para a recuperação da nossa gente, esse equipamento de ponta, ofertado nos hospitais municipais, para ajudar os pacientes a saírem mais rápido das UTIs, para que tenham menos desgaste muscular. E quando for para enfermaria ou para casa, que seja em melhores condições, com menos seqüelas. São tantos os benefícios, que não consigo mensurar o quão é importante e gratificante proporcionar o tratamento adequado. A nossa gente merece!”, enfatizou.

Fonte: Prefeitura de Cuiabá MT

Comentários Facebook
Continue Reading

Saúde

Pronto-Socorro de Cuiabá atende mais de 12 mil pacientes no 1º quadrimestre de 2022

Published

on

O Pronto-Socorro “Dr. Leony Palma de Carvalho”, que funciona dentro do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC),  realizou mais de 12 mil atendimentos no primeiro quadrimestre de 2022. A unidade é porta aberta para pacientes em situação de urgência e emergência, que na maioria das vezes são trazidos por ambulâncias do município e Serviço de Atendimento Móvel ao Usuário – SAMU.

Neste primeiro quadrimestre de 2022, a produtividade da unidade foi significativa em vários setores. Foram realizadas 3.504 cirurgias de diversas especialidades e mais de 340 atendimentos por intoxicação e picadas por animais peçonhentos no Centro de Informação Antiveneno-CIAVE. Os pacientes que chegam ao pronto-socorro por situação de queimaduras são encaminhados para o Centro de Tratamento de Queimados – CTQ, que funciona no HMC. Ao todo o CTQ recebeu 53 pacientes entre os meses de janeiro a abril deste ano.

Os exames laboratoriais somaram em mais de 207 mil neste primeiro quadrimestre de 2022. Foram realizados 23.214 raios-x, 10.249 tomografias, 2.073 ultrassons, 1.009 endoscopias, 401 colonoscopias e 504 ecocardiogramas, totalizando mais de 245 mil exames e procedimentos, tanto para pacientes internados como para aqueles que são atendidos pelo ambulatório. 

Leia mais:  Cientistas identificam nova espécie de barbeiro

As internações hospitalares nas enfermarias e Unidades de Terapias Intensivas – UTI’s  somam o total de 2.691 internações entre os meses de janeiro a abril de 2020, além das internações pediátricas, que totalizam em 312, no primeiro quadrimestre deste ano. A média de permanência das internações é estimada em 9,29 dias. 

Para o prefeito Emanuel Pinheiro, a alta procura dos usuários do Sistema Único de Saúde – SUS demonstram a credibilidade no atendimento realizado. “O pronto-socorro é uma parte do atendimento realizado à população, dentro do Hospital Municipal de Cuiabá. Tenho o imenso orgulho de oferecer a nossa gente uma estrutura de ponta, a maior de todo o estado de Mato Grosso, com equipe treinada para atender pacientes que chegam com alta complexidade, vítimas de diversas patologias ou traumas”, enfatizou.

O serralheiro, Ronei Martins, 29 anos, veio para o pronto-socorro de Cuiabá, após sofrer acidente de moto. Ele é de Arenápolis, município com uma distância de 232 quilômetros de Cuiabá. “Fui trazido para o pronto-socorro de Cuiabá, porque no município onde eu resido não realiza procedimento cirúrgico ortopédico para situação de fraturas. Quero ressaltar a boa assistência que venho recebendo neste hospital. Realizei exames laboratoriais e de imagem e passei por duas cirurgias, possivelmente vou receber alta esta semana. Todos os profissionais e os médicos prestaram um bom atendimento, estou bem melhor”, ressaltou o paciente.

Leia mais:  Ações dos núcleos de Avaliação de Tecnologia em Saúde de MT são destaques nacionais

Segundo o diretor-geral do HMC, Paulo Rós, o pronto-socorro de Cuiabá é de extrema importância para salvar vidas. “Recebemos na unidade uma grande demanda, e conseguimos realizar com êxito a assistência e o cuidado necessários para salvaguardar a vida das pessoas, com todo o suporte que os pacientes precisam”, destacou.

O pronto-socorro de Cuiabá possuí 10 leitos na sala de reanimação, 20 leitos na sala de politrauma, 10 leitos na sala verde, 15 leitos na sala amarela, 10 leitos na sala de sutura, 20 leitos na retaguarda, 2 leitos no isolamento, 40 leitos na observação adulto e 04 leitos na observação infantil,  totalizando 131 leitos. Já a estrutura geral do Hospital Municipal de Cuiabá, totaliza em  315 leitos. 

Fonte: Prefeitura de Cuiabá MT

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262