Connect with us

GERAL

Voluntários participam da limpeza de praias na Baía de Guanabara

Published

on

Os Projetos Coral Vivo, Guapiaçu, Meros do Brasil e Uçá, patrocinados pelo Programa Petrobras Socioambiental, realizaram hoje (11) a primeira edição do Clean Up Bay – Dia de Limpeza da Baía de Guanabara.

Promovido pela Rede de Conservação Águas da Guanabara (Redagua), o evento ocorreu na praia de José Bonifácio, na Ilha de Paquetá; Praia da Bica, na Ilha do Governador; e na praia das Pedrinhas, em São Gonçalo.

O objetivo da limpeza das praias da Baía de Guanabara é sensibilizar a população fluminense para as consequências do descarte inadequado de resíduos no oceano.

Voluntários atuaram nas três praias recolhendo o lixo descartado incorretamente. A ação é dividida em duas partes: a coleta e a triagem, quando o material coletado será classificado, registrado e pesado.

O jovem Rafael Marassi, de 16 anos, que integra a Organização Não Governamental (ONG) Onda Verde, estava na praia das Pedrinhas e ressaltou a importância do evento. “O projeto é realmente necessário para a limpeza do oceano, devido a grande quantidade de lixo jogada no mar”. Ele ficou impressionado com a quantidade de lixo recolhida em menos de uma hora. “Recolhemos seringa de insulina, uma amostra de sangue, bastante preservativos e muitas garrafas pet”, disse.

Leia mais:  Serpro busca novas tecnologias de digitalização para micro e pequenos

O evento faz parte do Mês do Meio Ambiente e integra o calendário Rio2030, composto por uma série de ações de educação sustentável com o objetivo de sensibilizar a população fluminense. Outros dois países também participam da primeira edição do Clean Up Bay: Argentina e Moçambique.

O presidente da ONG Guardiões do Mar, Pedro Belga disse que “a Baía de Guanabara sofre diversos impactos todos os dias, mas são muitos os sonhadores que trabalham arduamente para vê-la limpa. Por isso, reunimos voluntários, sociedade civil organizada e moradores da região que querem ver o bem da Baía de Guanabara”.

Na Ilha de Paquetá foram recolhidos 46 quilos (kg) lixo poluente, entre garrafas plásticas e vários tipos de resíduos. Na praia da Bica, na Ilha do Governador, foram 23 kg de resíduos, além de 1.368 bitucas de cigarro, 194 canudos plásticos, 367 hastes de cotonete e 622 tampinhas de garrafas de plástico. Já em São Gonçalo, os voluntários recolheram um total de 450 kg de poluentes sólidos.

Leia mais:  EBC e Polícia Federal assinam contrato para produção de série

Edição: Aécio Amado

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook

GERAL

Assembleia Legislativa de SP promulga lei que cria Polícia Penal

Published

on

Foi promulgada, hoje (30), pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria a Polícia Penal paulista. Com a mudança, agentes de escolta e vigilância penitenciária, além de agentes de Segurança Penitenciária, se tornam policiais penais. A medida adequa o estado à Constituição Federal, que teve alteração em 2019 nesse sentido. Na prática, entre as mudanças está a substituição dos policiais militares na escolta de presos em todo o estado.

A PEC que cria a nova categoria foi aprovada por unanimidade em dois turnos no último dia 23. O texto estabelece que o quadro de servidores da Polícia Penal será preenchido, exclusivamente, por meio de concurso público e da transformação dos cargos isolados ou dos cargos de carreira dos atuais agentes penitenciários e dos cargos públicos equivalentes.

A medida é apoiada pelos funcionários do sistema prisional. Durante a cerimônia de promulgação, Gilberto Antonio, secretário-geral do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp), disse que a medida é um avanço. “Nós já fazemos a função de policial, o que não tínhamos era o direito. Agora a categoria terá uma segurança jurídica, com mais treinamento, mais capacitação para desenvolver um trabalho melhor para a sociedade paulista e também para a reintegração social dos presos.”

Leia mais:  Funai utilizou R$ 691 milhões em ações de fiscalização em 2021

O secretário de Estado da Administração Penitenciária, coronel Nivaldo Restivo, informou durante o evento que o governo paulista já convocou 1,5 mil agentes de Escolta e Vigilância Penitenciária aprovados em concurso público. Os novos profissionais devem receber formação técnico-profissional oferecida pela Escola de Administração Penitenciária (EAP).

Avaliação

A inserção da Polícia Penal como um dos órgãos de segurança pública foi aprovada no Congresso Nacional em 2019, com a Emenda à Constituição 104. Entre os críticos da medida, está o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) que avalia que a transformação da carreira de agente penitenciário em uma carreira policial não traz melhorias ou valorização, pois isso só ocorreria com investimento público.

“A atividade dos agentes penitenciários tem a função precípua de guarda, custódia e proteção dos encarcerados. É uma atividade que não pode se confundir com outras atividades policiais, como as de investigação (inerente à polícia judiciária) e de repressão (inerente à polícia militar). Isso pode criar conflitos graves dos quais podem decorrer violações de direitos humanos, nulidades processuais e até mesmo expor a risco os agentes envolvidos, avalia Bruno Salles Pereira Ribeiro, diretor e 1º secretário do IBCCRIM.

Leia mais:  Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo

Por se tratar de uma adequação, essa mudança deve atingir todos os estados. Ribeiro lembra que a estruturação da nova polícia ainda será objeto de lei orgânica e estatuto que irão disciplinar a organização, as atribuições, o funcionamento, os direitos, os deveres, as vantagens e o regime de trabalho. “Essas legislações estão em discussão e é muito importante que ela leve em conta as particularidades das atividades de cada tipo de policial e agente, com o fim de evitar os conflitos”, aponta.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue Reading

GERAL

Ministério da Justiça deflagra nona fase da Operação Luz na Infância

Published

on

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) deflagrou hoje (30) a nona fase da Operação Luz na Infância, destinada ao combate à exploração sexual de crianças e adolescentes pela internet. Até o momento, pelo menos 26 suspeitos foram presos. 

Desde a manhã desta quarta-feira, estão sendo cumpridos 163 mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça em 13 estados brasileiros e no exterior. Fora do país, a operação ocorre com o auxílio das polícias dos Estados Unidos, da Argentina, do Paraguai, da Costa Rica, do Panamá e do Equador. 

As investigações partiram do Laboratório de Operações Cibernéticas do ministério e foram feitas em parceria com o Homeland Security Investigations (HSI), órgão de repressão a crimes internos dos Estados Unidos, além das polícias civis estaduais. 

A pena para quem armazena conteúdo sexual envolvendo crianças varia de 1 a 4 anos de prisão, e pode aumentar de 3 para 6 anos no caso de compartilhamento e de 4 a 8 anos no caso de produção de conteúdo. 

A primeira fase da Operação Luz na Infância foi deflagrada em outubro de 2017, quando 108 investigados foram presos. O maior número de presos foi alcançado na segunda fase, realizada em novembro de 2018, que resultou na prisão de 251 pessoas.

Leia mais:  Rio fecha acordo com União sobre plano de recuperação fiscal

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue Reading

Segurança

MT

Brasil

Economia & Finanças

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262